Xangai adora a maçã dentada

Apple, Xangai – Fotografia de Nelson Garrido

Xangai é uma cidade cheia de arquitectura imponente, mas parca em templos majestosos, budistas ou de qualquer outra fé. Já as lojas Apple são grandes, luminosas e resplandecentes. As demais multinacionais do costume também já têm morada na baixa da florescente cidade chinesa, mas nenhuma lhe chega aos calcanhares em termos de mística e devoção.

São grandes superfícies envidraçadas, onde porém se expõem não mais de três ou quatro engenhos electrónicos. O espaço parece ser requerido não para expor os artigos à venda, mas para acolher toda a clientela – verdadeiras legiões de fiéis reunidos sob a supervisão dos inúmeros sacerdotes (muitos mais que as máquinas), os vendedores-especialistas nos muitos truques de magia digital da firma criada por Steve Jobs.

Este culto obsessivo, depois disseminado um pouco por todo o centro da cidade – há mais gente agarrada a iphones ou ipads que a conversar nos cafés – é único em Xangai e obviamente paradoxal. Basta pensar que boa parte se não mesmo a maioria destes chineses viciados em tecnologia ocidental ganha a vida na sua duplicação.

Apple, Xan­gai — Foto­gra­fia de Nel­son Garrido

__

{Luís Maio e Nel­son Gar­rido viajam a convite da Royal Caribean, da Air France e do Turismo de Macau}

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>