Lombroso, o museu mais esquisito de Turim

Em Turim, fui visi­tar o Museu de Antro­po­lo­gia Cri­mi­nal, parte de um com­plexo de museus inte­gra­dos no Ins­ti­tuto de Ana­to­mia da Uni­ver­si­dade da região de Pie­monte. O pequeno museu é mais conhe­cido pelo nome de Cesare Lom­broso, o extra­va­gante médico que na segunda metade do século XIX inven­tou a cha­mada “antro­po­lo­gia cri­mi­nal”, pre­tensa ciên­cia que par­tia do prin­cí­pio de que era pos­sí­vel iden­ti­fi­car os cri­mi­no­sos medindo o tama­nho dos res­pec­ti­vos crânios.

A guia ita­li­ana de expres­são lusó­fona que me acom­pa­nhou na visita confessou-se seri­a­mente cho­cada. Mas não tanto pelas ideias mara­das de Lom­broso — um judeu defen­sor de teo­rias racis­tas -, nem sequer pela pilha de cavei­ras des­den­ta­das que o médico empi­lhou em vida e estão agora expos­tas nas pra­te­lei­ras do museu como sapa­tos numa loja. Não, o que ver­da­dei­ra­mente a indig­nou foi em 27 anos de car­reira como guia em Turim nunca ter pos­tos os pé em tal sítio — que existe desde o tempo do seu men­tor, embora fosse moder­ni­zado e rea­berto em 2009.

Perguntou-me uma série de vezes onde é que eu tinha ouvido falar daquele lugar tão esqui­sito, qual era a minha moti­va­ção para o visi­tar e, já agora, se acre­di­tava que seme­lhante “atrac­ção” teria algum inte­resse para os lei­to­res do Público, agora que a TAP se pre­para para abrir uma liga­ção directa entre a sua cidade e Lis­boa. Fui-lhe dizendo que os museus liga­dos à his­tó­ria da medi­cina e da inves­ti­ga­ção médica estão de moda em toda a Europa, citando nome­a­da­mente o fan­tás­tico Well­come Museum, em Lon­dres. Mas a prova dos nove do fenó­meno, acres­cen­tei, estava ali mesmo em Turim, onde naquela tarde de sábado pri­ma­ve­ril se fazia bicha para com­prar entrada no Cesare Lom­broso. Aquela evi­dên­cia empí­rica não con­ven­ceu, porém, a minha guia, que me fez notar que na dita bicha só havia ita­li­a­nos, para mais todos ou quase com aspecto de inte­lec­tu­ais. Em resumo, com seme­lhante cli­en­tela, mesmo que nume­rosa, o Cesare Lom­broso nunca pode­ria ser con­si­de­rado uma morada turística.

Os turis­tas bra­si­lei­ros, acres­cen­tou ela, esque­cendo que eu sou por­tu­guês, quando lhes pro­põe a visita de algum museu em Turim — coi­sas bem mais aces­sí­veis, como o Museu Egíp­cio ou o do Cinema — fran­zem logo o sobro­lho. Para os bra­si­lei­ros, concluía-se, visi­tar museus e sítios cul­tu­rais é um com­pleto frete só com­pen­sado pelo tempo livre que as excur­sões lhes dei­xam depois para ir às com­pras.  Pode­ria ter-lhe per­gun­tado se para ela tam­bém é assim, sobre­tudo quando veste a pele do turista de visita a outra cidade. Mas acho que ia aze­dar a con­versa e, de qual­quer modo, até era capaz de adi­vi­nhar a resposta.

Pas­sei, no entanto, o resto da tarde a matu­tar naque­las ques­tões. Será que os turis­tas de excur­são pre­fe­rem sem­pre o shop­ping à cul­tura? Será que os guias nor­mais não conhe­cem as cida­des em que vivem tirando os sítios onde levam os turis­tas? E será que os lei­to­res de via­gens, incluindo os mais ins­truí­dos, gos­tam de ler (e de ir) para além dos cli­chés turísticos?

Esta entrada foi publicada em Itália com os tópicos , . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/emviagem/2012/04/28/lombroso-o-museu-mais-esquisito-de-turim/" title="Endereço para Lombroso, o museu mais esquisito de Turim" rel="bookmark">endereço permamente.

Um comentário a Lombroso, o museu mais esquisito de Turim

  1. Sendo eu pouco turista (com muita pena minha) mas estu­dante aca­dé­mica de Turismo, tenho um espe­cial fas­cí­nio e inte­resse por esses locais pouco turís­ti­cos e esque­ci­dos pela mai­o­ria dos turis­tas. Con­tudo, con­fesso que sou mui­tas vezes levada a visi­tar os tais “cli­chés turís­ti­cos”, por­que os “outros” não são divul­ga­dos nem cons­tam nas rotas turís­ti­cas. Quero por­tanto dar-lhe os meus para­béns pelo seu mag­ní­fico tra­ba­lho de pesquisa/divulgação e por par­ti­lhar con­nosco as suas descobertas.……

    Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>