Madrid (II)

Foi na Plaza 2 de Mayo, em Malazaña que começou o famoso Botelón, hoje extinto por ordens municipais. Era aqui, na praça que tem o nome de Manuela Malazaña, heroína malfadada que foi morta a tiro pelos militares, e que Goya pintou, que se reuniam os que queriam beber a baixos custos, era Madrid uma cidade que respondia pelo cognome de La Movida. Hoje a praça enche-se de esplanadas, de uma feira de velharias aos sábados (e que velharias, discos de vinil dos anos 60, livros revolucionários e contra-revolucionários) e da assembleia popular do bairro, que tenta prolongar, todos os dias, as lutas que tiveram lugar há um ano, no 15 de Marzo.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>