Carta aberta a São Pedro

Caro São Pedro,

estamos nas Flores há dois dias e ainda não conseguimos ver aqueles que serão os melhores postais da ilha. Dizem que há cá sete lagoas – sete! – e ainda só pudemos ter um vislumbre rapidíssimo de uma delas, a da Lomba. E olha que já as procurámos três vezes desde que cá chegámos.

Com o devido respeito, começamos a perder a paciência com tanto nevoeiro. Para onde quer que olhemos, lá está ele, omnipresente e cerradíssimo. Claro que podes sempre dizer que a mística das ilhas dos Açores também é essa, etc. e tal, mas, São Pedro, já merecíamos qualquer coisinha. Persistência não nos tem faltado, mas pelos vistos não chega.

Se não for por nós, São Pedro, pensa pelo menos no Marco, o nosso infatigável guia, que por nós já deu a volta às Flores sabe-se lá quantas vezes numa luta desigual contra o tempo – não o tempo das horas e dos minutos, mas o tempo no qual tu mandas. Já quase virámos a ilha do avesso, mas nem sombras das lagoas, da rocha dos Bordões, do poço da Alagoinha, tão-pouco do Morro Alto. Esta manhã, por exemplo, era suposto termos subido ao Maciço Rochoso, mas não víamos um palmo à frente do nariz.

Sim, é verdade, ontem tivemos belas vistas sobre a Fajãzinha e a Fajã Grande; chegámos ao ponto onde a Europa termina e a América começa; apreciámos campos verdinhos e muros de hortênsias; cruzámos magníficas estradas ladeadas de criptomérias e musgos de cores fascinantes; e hoje descemos a pé à Fajã Lopo Vaz, o cúmulo do isolamento, e, apesar da queda que não estava no programa e das queixas nas pernas, sobrevivemos para contar a história e demos o esforço por bem empregue.

Mas há as lagoas, São Pedro, as lagoas… São sete, já as vimos em fotografias – lindas! – e agora não podemos sair daqui sem as ver, é que não podemos mesmo. Para todos os efeitos, amanhã é o nosso último dia, não nos faças essa desfeita.

____

[San­dra Silva Costa e Paulo Ricca (fotos) via­jam esta semana pelos Açores]

Veja aqui a foto­ga­le­ria As 9 Mara­vi­lhas dos Aço­res por Paulo Ricca

3 comentários a Carta aberta a São Pedro

  1. Talvêz, seja graças a ele (S.Pedro) que fiquem retidos por uns dias nas Flores. Basta um pouco de “ventinho” ou neblina e os voos são cancelados! Boa Sorte.

    Responder
  2. Estive aí a semana passada, nas Flores. Choveu apenas dois dias e pela manhã. Vi todos os sítios que aqui refere e nos post anteriores e ainda o Corvo e seu caldeirão e as grutas fabulosas à volta da ilha. E esse passeio apenas confirmou o que eu já pensava: os Açores são simplesmente belíssimos!!!
    Desejo que o tempo melhore e possam apreciar tudo.

    Responder

Responder a Luís Neto Cancelar resposta

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>