A mini-primária pelo voto dos conservadores

O ex-speaker do Congresso, Newt Gingrich, não vai abandonar a corrida à nomeação republicana sem dar luta. Armado com 5 milhões de dólares de munições (por intermédio do comité de acção política – ou super-PAC — Winning Our Future ), o seu alvo é o favorito Mitt Romney. Mas na sua primária particular, Gingrich precisa de bater primeiro Rick Santorum e Rick Perry. E isso não vai ser fácil.

A mini-primária dentro da primária republicana diz respeito ao concurso pelo estatuto de “candidato conservador”. Mitt Romney virou para a direita, mas as bases do partido ainda não lhe reconheceram o esforço. Gingrich, Santorum e Perry não precisam de se esforçar: todos eles têm crédito nesse particular. Tanto crédito que os eleitores ainda não conseguiram perceber qual deles é mais conservador do que o outro.

A extraordinária votação de Rick Santorum no Iowa levou a sua campanha a acreditar que o antigo senador da Pensilvânia se afirmaria como a escolha natural do eleitorado ultra-conservador do New Hampshire. Tal não aconteceu. Os católicos (como Santorum) dividiram os seus votos entre Mitt Romney e Ron Paul. Uma semana depois de ascender ao topo da corrida, Santorum voltou para o fundo da tabela – com 10% de votos, lá se foi o momentum.

No entanto, Santorum não é ainda carta fora do baralho. O empate técnico com Gingrich no New Hampshire prolonga o seu braço-de-ferro para a Carolina do Sul. E o homem da Pensilvânia tem uma relativa vantagem: basta-lhe acabar em segundo para voltar às manchetes.

A situação para Gingrich é ligeiramente mais desesperada. O ex-speaker investiu mais dinheiro do que o seu adversário e recolheu menos benefícios dos seus trunfos (por exemplo, o apoio declarado do Manchester Union Leader, um diário reputado para os conservadores). Mas Gingrich tem mais dinheiro que Santorum, e isso pode ser fundamental.

Gingrich não vai atrás de Santorum na Carolina do Sul. A sua estratégia para é atacar Romney sem piedade. Se o eleitorado se convencer que ele é o único candidato capaz de fazer frente ao favorito, começará a concentrar-se na sua campanha. Claramente, a campanha de Romney está mais preocupada com Gingrich do que Santorum. O ex-speaker já foi submetido a uma primeira vaga de anúncios negativos; uma segunda está já a formar-se na Florida.

Entretanto, os líderes do movimento evangélico acordaram para a inevitabilidade da nomeação de Mitt Romney. E não gostaram. Vai daí, repararam um encontro para o fim da semana: mais de 150 dirigentes foram convocados para uma sessão de “brain-storming” no Texas, com o objectivo de traçar uma estratégia para impedir a aclamação de Romney.

Também os apoiantes do Tea Party estarão reunidos em este fim-de-semana em Myrtle Beach, na Carolina do Sul. Entre os oradores convidados estão Newt Gingrich e Rick Santorum.

Rita Siza

Esta entrada foi publicada em Sem categoria com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/eleicoeseua2012/2012/01/11/a-mini-primaria-pelo-voto-dos-conservadores/" title="Endereço para A mini-primária pelo voto dos conservadores" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>