À volta do Palácio de Água

Saídos do Palácio da Água, fomos tomar um café numa pequena venda. A imagem do Buda na parede, alguma comida exposta e alguns panos, certificavam que estávamos na Indonésia. Não queríamos acreditar que na estreita área que envolve o Palácio cor-de-rosa vivem 25 000 pessoas, informação que o dono do lugar certificou, assegurando-nos que valeria […]






Cor de rosa

Quando, num curto intervalo de tempo, os olhos se enchem de estranhezas e maravilhas, parece que se defendem registando um elemento. O cor de rosa foi o registo que por tempos dominou a nossa experiência no Tamansari, que nos traduziram por Castelo ou Palácio de Água. Fica a 2 km a sul do Palácio de […]






No mercado

Eram sobretudo mulheres que vendiam e compravam nas bancas num dos mercados de Yogyakarta. Decidimos parar quando percebemos que o mercado de frescos prometia fruta e sobretudo cor. Além disso, havia roupa, brinquedos, utilidades domésticas e agrícolas. A estrutura de madeira em tons cor-de-rosa protegia-nos do sol forte do meio-dia e o ar corria brando […]






Multidões de pedra

A primeira impressão que os templos Prambanan nos provocaram foi de uma certa inquietação: ao longe, pelo efeito do sol forte e directo apareciam enormes silhuetas de um negro baço e indistinto. Lentamente, à medida que nos aproximamos começamos a perceber patamares, recortes, volumes, relevos … Eddy fazia questão em andar depressa porque “há muito […]






Chegamos a Yogy!

Despedimo-nos do comboio com alguma pena numa ampla estação que indiciava a importância e dimensão de Yogyakarta.. Mais conhecida pelo diminutivo Yogy, a cidade é considerada a capital histórica de Java e uma das cidades culturalmente mais ricas do Oriente. Apanhámos um táxi para o hotel e, pelas janelas, percebíamos que era evidente a mistura […]






Comboio por fora com gente

Há comportamentos que se repetem nas diferentes partes do mundo: dizer adeus a um comboio que passa é um deles. Os mais militantes nesta prática são as crianças que nos fizeram lembrar as nossas infâncias vividas em Fafe e em Caldas da Rainha: nas horas em que passava um comboio grande, íamos em bando dizer […]






O comboio por fora

O comboio partiu à hora e deixámos a estação de Bandung que é um enorme recinto coberto sem qualquer característica interessante. Aliás, as grandes e médias estações seguem o mesmo modelo; de vez em quando um lugar menor que não merecia paragem mostrava uma construção menos padronizada e mais interessante. Ao longo do caminho entre […]