‘Fort St Elm’, os despojos de tenebroso passado

Billy Hayes é um estudante dos Estados Unidos que visita a Turquia. Ao deixar o país, decide levar alguns pacotes de haxixe, escondendo-os debaixo da roupa.
O plano acaba por não funcionar, pois é preso no aeroporto: o seu pesadelo começa num brutal espancamento e continua numa prisão degradante. Um novo julgamento, no qual a mudança de acusação passa de porte ilegal para tráfico de droga, condena-o a uma ‘mortal’ pena de 30 anos.

Estás a pensar o mesmo que eu? Sim, trata-se do argumento do Midnight Express (O Expresso da Meia Noite), filme de Alan Parker, de 1978, com Brad Davis, John Hurt, Randy Quaid, Bo Hopkins, Mike Kellin, Peter Jeffrey e Paolo Bonacelli. E porque te falo dele? Porque foi rodado em Malta. Boa parte, no Forte St. Elmo.
Na verdade, não é um propósito vir aqui. Confesso que até desconhecia o lugar. Foi a curiosidade que me fez tornear um velho portão, avançar uns metros no desconhecido e deparar-me com um arrebatador cenário apocalíptico.
Há um enorme pátio e um edifício em ruínas. Há jovens ‘gunas’ a abrir uma porta com a linguagem corporal de quem está a fazer um assalto. A uns metros, um cinquentão mal-amanhado transporta tralha de uma carcomida carrinha de caixa aberta para o interior do edifício. O bom-senso recomendaria regressar à civilização, mas o súbito fascínio pelo lugar e esta ‘incompreensão’ com o que se está a passar atrai-me. Avanço, boquiaberto com a descoberta.
Infiltro-me no edifício. Quase todas as portas foram arrancadas às degradadas paredes. Há destroços por todo o lado. Não há proteção metálica nas varandas rachadas e partidas no solo. Não é,
definitivamente, dos lugares mais seguros de Malta. Tem todos os ingredientes para tenebroso filme de ficção.
Trata-se de um quartel construído em 1850 pelo exército britânico, no lugar de resistência ao cerco de Malta perpetrado pelos otomanos, no longínquo 1565. Estrategicamente edificado no extremo norte de uma península, guardando a entrada para os dois portos de La Valetta.

Foi transformado em academia da polícia de Malta, num complexo que aos domingos tinha o hábito de fazer reconstituições históricas. Parte do amplo forte, alberga o Museu Nacional da Guerra.

O Conde de Monte Cristo (2002) e Guerra Mundial Z, com Brad Pitt, ou Cutthroat Island (1995) foram outros filmes que passaram por cá… Nenhum deles com ‘cenas felizes’, pelo que o melhor é sair desde singular Mundo.

Rui Bar­bosa Batista relata no blo­gue Cor­rer Mundo a sua aven­tura por Malta. No site www.bornfreee.com pode ace­der a outros rela­tos e ima­gens sobre a viagem.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria com os tópicos , , , . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/corrermundo/2016/04/14/fort-st-elm-os-despojos-de-tenebroso-passado/" title="Endereço para ‘Fort St Elm’, os despojos de tenebroso passado" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>