KARNAK

O dia vai longo, não o suficiente para nos demover de ir a um dos templos mais fantásticos que tive a oportunidade de visitar em quase meio planeta por onde tive a felicidade de andar.

Para se ter uma ideia do que aqui foi feito, chegaram a trabalhar 80.000 em Karnak, entre operários, guardas, sacerdotes e servos. Uma obra que esteve mais de um milénio soterrada na areia… até ser descoberta no século XIX.

Todos os faraós quiserem deixar a sua marca no templo mais importante do Egito, depois das pirâmides. No qual Amon, rei dos Deuses, tem um lugar especial, entre pátios, salas, terraços, corredores e lago sagrado. Durante 1.300 anos, o templo foi crescendo com os contributos de quem quis ficar ligado a este projeto impressionante. Não espanta, por isso, que este seja o maior templo do Mundo. Na verdade, chegam a ser vários num só. As obras de restauro prosseguem…

Ramsés II volta a estar em destaque, com imponente estátua em granito no fim da “primeira avenida”, num complexo com 40 hectares, repleto de gravuras e pinturas. Onde os obeliscos “nasceram”. Paris e Istambul são duas das cidades que receberam exemplar diretamente enviado de Karnak.

O Lago Sagrado, com 80 metros de comprimentos e 40 de largura, remonta à época de Tutmés III. Perto, um escaravelho gigante. O maior do antigo Egito, do reinado de Amenhotep III. Há tanto para explorar…

Há um espetáculo noturno de cor e luz… talvez o principal motivo para voltar a Luxor.

_
Rui Bar­bosa Batista relata no blo­gue Cor­rer Mundo a sua via­gem pelo Egito
. No site www.bornfreee.com  pode ace­der a outros rela­tos e ima­gens sobre a viagem.

Esta entrada foi publicada em África com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/corrermundo/2014/12/10/karnak/" title="Endereço para KARNAK" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>