The Hermitage

Desculpa, Louvre. Perdão, Prado e todos os inúmeros museus que visitei. Por muito que vos aprecie – e fazem parte dos meus lugares de eleição no Planeta, não tenham dúvidas – devo confessar que fiquei incontrolavelmente embeiçado por súbita paixão: Hermitage.

Não vou discutir conteúdos, sempre sujeitos a interpretações subjetivas, apenas a estrutura. Um palácio de sonho, mesmo que não estivesse adornado com o seu valiosíssimo recheio. O acervo de mais de três milhões de peças/obras tornam-no numa Meca para o curioso, e uma obsessão para qualquer apreciador de arte.Hermitage1111

Não há época, estilo ou cultura esquecidos. A Rússia, a Europa, África ou Ásia estão aqui retratados. São 10 prédios, sendo que sete são de interesse histórico. O Palácio de Inverno, residência oficial dos Czares até à queda da monarquia, é a alma do Hermitage, que também tem um teatro, academia de música e um conjunto de projetos solidários em outros países.

Van Gogh, Picasso, Leonardo Da Vinci, Renoir, Rembrandt, Matisse, Caravaggio, – ufa, é preciso de uma pausa para respirar -, Paul Gaugin, Goya ou Claude Monet são alguns dos muitos “clássicos” em exibição no palácio projetado por Francesco Bartolomeo Rastrelli. São precisos mais motivos para uma visita?

A maior coleção do museu é a de medalhas, brasões e insígnias, composta por cerca de 1,1 milhão de peças. A ala de monumentos arqueológicos tem 734 mil objetos. As pinturas da minha predileção são mais de 16.000 e as esculturas ultrapassam as 12.000.

Durante a II Guerra Mundial, os nazis invadiram a Rússia e as ordens de Hitler sobre São Petersburgo foram claras: bani-la da face da Terra. Não havia interesse em poupar qualquer parcela da população. As obras do Hermitage foram preservadas pelos seus valentes funcionários, que evacuaram cerca de 1,2 milhão de obras e transportaram as que eram grandes demais para serem escondidas no subsolo, protegendo-as com sacos de areia. Os trabalhadores passaram a morar no museu juntamente com as suas famílias, artistas e intelectuais. O prédio sofreu danos consideráveis, mas o acervo foi preservado. Missão cumprida.

Voltando à atualidade… haverá maior pesadelo do que ter apenas uma tarde para tentar ver o máximo, com a qualidade que se impõe de usufruto do Hermitage? Pois… mais um bom motivo para voltar a esta Princesa do Norte.

Obrigado, Catarina. A Grande. Quem iniciou a tradição de colecionar peças de arte. Estaria orgulhosa do resultado do seu vício.

Mais uma vez: “Spasibo, Катарина”.

__
Rui Bar­bosa Batista relata no blo­gue Cor­rer Mundo a sua via­gem pela Rússia
. No site www.bornfreee.com  pode ace­der a outros rela­tos e ima­gens sobre a viagem.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/corrermundo/2014/08/03/the-hermitage/" title="Endereço para The Hermitage" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>