Rumo a Yerevan

Superconfortáveis nestas máquinas voadoras, logo imagino que chegaremos a Yerevan a tempo de um giro de reconhecimento antes de jantar. se a estimativa são umas cinco horas para os 300 quilómetros, acredito que poderemos baixar para quase metade. Pois… crer, nem sempre é poder.

O ritmo é interessante até à fronteira. E, aqui, o tempo não é muito. Tudo se conjuga para os melhores planos. Até  que paramos para reabastecer… gás. O mesmo que continua a marcar a paisagem, em condutas habitualmente amarelas.

O processo de abastecimento é bem lento. Esperamos uma meia hora até à nossa vez. E que os três táxis que viajam juntos estejam devidamente abastecidos. A esta hora, já percebemos que a Arménia é, globalmente, mais pobre do que a Geórgia. Que também há menos trânsito e que os condutores são mais responsáveis.

Percebo que um dos condutores já foi árbitro internacional de futebol. E até já dirigiu um desafio dos sub-19 portugueses, na Hungria. “Muito bons jogadores. E bem comportados”, assegura. Torço o nariz ao segundo elogio.

Voltamos à estrada e tudo muda. A começar pelo ritmo. Seguiremos por tempos infinitos a uma velocidade que pouco mais rápida é do que… caminhar. Raios, o que se passará com o homem?? Como não fala inglês, pouco mais posso fazer do que sugerir acelerar.

Começa a chover. Decidem parar. “É só para um cafezinho”, justifica. Afinal, algo sabe da língua de Shakespeare. A velocidade de cruzeiro não vai mudar. Seguiremos calminhos até ao destino. Aproveitamos e saboreamos melhor a paisagem. Que nas primeiras dezenas de quilómetros, até ao lago Sevan, é surpreendentemente bela.

Conduziremos ao lado da linha que divide o país do Azerbaijão. Pouco amigos. Há uma aldeia deserta. Casas abandonadas. “São azeris. Fugiram com a guerra. Melhor assim”, diz-nos o motorista. A guerra por Nagorno Karabakh, há 20 anos, deixou marcas que persistem. Os vizinhos não têm relações diplomáticas e as fronteiras são reforçadas militarmente.

__
Rui Bar­bosa Batista relata no blo­gue Cor­rer Mundo a sua via­gem pela
Geórgia, Arménia e Nagorno Karabakh. No site www.bornfreee.com  pode ace­der a outros rela­tos e ima­gens sobre a viagem.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/corrermundo/2014/06/01/rumo-a-yerevan/" title="Endereço para Rumo a Yerevan" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>