Até onde vais com 5 euros? Dia 11. Almeida, Fundão, Covilhã e um desejo adiado

Almeida

Mais um dia. São 11 dias em viagem e hoje vamos dar uma palestra à Escola Dr. José Casimiro Matias em Almeida para alunos do ensino secundário. Vai ser passada novamente a nossa mensagem, a do nosso grupo, do nosso projecto e é extremamente gratificante para nós podermos dar o nosso testemunho. A troca será almoçar na escola na companhia de Joaquim Pedroso, director da escola.

Mais uma vez bem recebidos, e agora em Almeida, terra lindíssima. Visitamos o município e temos a oportunidade de dialogar com o seu edil, Baptista Ribeiro, que nos apoia desde início e que nos vai apoiar com combustível. Com a carrinha atestada vamos visitar a muralha que nos remeteu para os pontos mais marcantes da história desta vila. Aceitámos o convite, que nos chegou pela manhã, para um lanche no restaurante Granitus e ainda repastados do almoço la fomos nós.

A visita continua. Paulo Amorim vai fazer-nos uma visita guiada às Casamatas, museu que retrata da história de Almeida. Um dia bem passado mas está na hora de partir!

E é mesmo assim, é viagem, encontros e desencontros e consequentemente, as despedidas. Está na hora de ir ao Fundão, terra natal do Tiago. O jantar já está marcado na sua casa e à nossa espera temos frango de caril e ainda peito de frango. Muito bem acolhidos, como já era de esperar. Mais um “adeus” e segue-se um café no Shot, onde o Tiago trabalha frequentemente.

Com a companhia dos seus amigos passamos um bom bocado e, já ficando tarde, ainda temos de picar o ponto na Cidade Neve, onde Patrícia reside. Com uma visita rápida pela cidade a paragem é no Bar Académico, onde cada um de nós tem os seus amigos à espera.

Covilhã, com a Universidade da Beira Interior, reúne pessoas de Norte a Sul do país e é ponto de encontro de conhecidos, onde todos nós temos alguém à nossa espera.

Deveríamos ir dormir à Torre, na Serra da Estrela, na Casa Abrigo na estância, numa casa cedida pelo Clube Nacional de Montanhismo. Era esse um dos nossos desejos para esta viagem subir ao ponto mais alto de Portugal continental…mas a natureza fala mais alto e as estradas estão intransitáveis.

Regressamos a Gouveia, a casa do André, onde vamos tentar subir à serra no dia seguinte, num sentido contrário, e ver neve. Covilhã e Gouveia, localizam-se nas encostas da Serra e unem-se no ponto mais alto de Portugal Continental.

Uma hora de viagem depois, chegamos ao destino. É Vila Cortês da Serra que nos recebe e nos embala.

_______________________________________________________________________________
“Até onde vais com 5 euros?” É a per­gunta de um grupo de cinco estu­dan­tes entre os 19 e os 24 anos, da Escola Supe­rior de Ges­tão de Idanha-a-Nova, que andam à des­co­berta de Por­tu­gal numa car­ri­nha. Orça­mento: cinco euros cada um. Con­tam com a soli­da­ri­e­dade e estão pre­pa­ra­dos para tra­ba­lhar em troca. Pode saber mais sobre a aven­tura na Fugas, segui-los neste blo­gue ou no Face­book ofi­cial.

Um comentário a Até onde vais com 5 euros? Dia 11. Almeida, Fundão, Covilhã e um desejo adiado

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>