Estocolmo: a cidade onde os homens de gravata andam de bicicleta

Estocolmo é uma das cidades mais bonitas que já conheci. Nem sei bem explicar o porquê, mas considero-a uma cidade linda, bastante agradável de visitar e incrivelmente fácil de se gostar desde o primeiro instante.

Não sei se aprecio mais a calma que se sente, o espantoso silêncio (estamos numa capital mas o trânsito não se ouve – e quase não se vê – sejam 9h da manhã ou 5h da tarde), o constante contraste dos canais da água com o verde das árvores, os palácios e os barcos que parecem verdadeiros cenários de histórias de encantar.

Ou ainda a natural simpatia das pessoas, o exemplar respeito pelo ambiente, a criatividade muito prática, as famílias descontraídas em parques e brincadeiras soltas pelas ruas.

Tudo isto define a capital da Suécia. Acho até que o único cuidado a ter nesta cidade é respeitar as bicicletas e as suas vias. Estão por toda a parte e é muito fácil, para nós, esquecer que elas existem e ocupar parte do seu espaço. Mas os condutores das bicicletas levam isso muito a sério e nós ficámos a saber desde muito cedo porque todos têm uma campainha. Para nos avisarem que não devemos estar ali, pois claro!

Devido ao seu formato geográfico, a cidade espalha-se por 14 ilhas de diversos tamanhos (umas pequenas, outras minúsculas) e até diria que estão divididas por “temas”, já que umas são mais comerciais, outras mais residenciais e outras mais dedicadas ao entretenimento.

Não falta oferta organizada do que ver e fazer: visitas guiadas, museus (mais de 100) e parques de diversões. Mas por unanimidade e porque tínhamos planeado só estar um dia nesta cidade, decidimos deambular pelas ruas e visitar o parque Skansen, na tal ilha mais dedicada ao entretenimento: Djurgarden. Com esta visita pretendíamos ficar a conhecer o modo de vida na Suécia e ainda vários animais muito típicos desta região, no jardim zoológico incluso.

Mas como muitas vezes acontece em viagem, nem tudo corre como planeado. Neste caso, o contratempo retirou-nos algum tempo à visita pela cidade, mas ensinou-nos uma lição que não esqueceremos e que aqui partilhamos: os parques de estacionamento subterrâneo não estão todos encerrados, como aparentemente levam a crer, apenas estão fechados, porque ao encostar o carro os enormes portões abrem automaticamente. Aprendemos isso depois de algumas – não direi quantas!- tentativas e inversões de marcha pelo centro de Estocolmo.

Mas voltando ao Skansen. Este parque orgulha-se em ser o primeiro museu ao ar livre do mundo desde 1891. Tem réplicas de casas e estabelecimentos comerciais de várias partes da Suécia e de várias épocas da história do país. Muitas destas casas têm pessoas, vestidas a rigor e a trabalhar ao vivo (vidro, madeira, metal, tecidos…) e ansiosas por nos contar um pouco daqueles acontecimentos.

Passámos então lá a tarde, com direito a jantar (almôndegas, pois certamente, já que estamos no país delas) com vista e audio para um concerto que se estava a realizar no palco central. Devo dizer que sinto falta da alimentação portuguesa: as sopas, os legumes, o arroz, o peixe fresco, a fruta, é por aqui muito raro de encontrar às refeições. Mas os miúdos acharam bastante piada ver pepino, tomate e pimentos disponíveis ao pequeno-almoço. Aliás, acho mesmo que aqui não se come pão, queijo e fiambre sem juntar mais estes ingredientes.

Decidimos fazer o percurso de ida e volta ao hotel, que era perto da estação central, sempre a pé e não recorrer a transportes, pois é também assim que melhor se conhece a cidade, se passa por ruas menos concorridas, se conversa um pouco com quem nos vamos cruzando e temos a possibilidade de ir usufruindo também um pouco do ambiente da cidade.

Foi assim que o Francisco se espantou e deixou escapar um “ó mãe, aqui os homens de fato e gravata também andam de bicicleta e com cadeirinha de bebé atrás e tudo!”.

No regresso do Skansen e cansados das correrias da tarde, já que fizeram questão em visitar todos, repito, todos os animais expostos – com direito até a alguns extras, como foi o caso dos esquilos – os miúdos perguntaram se podíamos “apanhar qualquer coisa: um autocarro, um um táxi, um barco”.

Mas como por aqui não há a preocupação da segurança, considero ser uma cidade de muito fácil orientação e tinha ainda a certeza de que não ia escurecer tão breve, estava completamente tranquila. E continuámos a caminhar.

Fomos sendo acompanhados por muitas pessoas que também regressavam da tarde quente que terminava, com cesta de piquenique na mão e aproveitámos ainda o tempo da viagem para fazer o Top 5, de todos os animais que tínhamos acabado de conhecer. Ganharam as renas!

Reparámos que grande parte das lojas e cafés já estavam fechados, a vida comercial termina cedo: por volta das 5h ou 6h da tarde. Esta cidade é conhecida por ser cara, mas ao fazer um balanço pelos países que já passei, chego à conclusão que estive em locais com preços muito semelhantes ao aqui praticados. Com uma boa gestão acho até que se consegue fazer uma visita equilibrada.

E “a cereja no topo do bolo” deste magnífico dia, foi redescobrir uma daquelas agradáveis cafetarias – para nossa grande satisfação, uma das últimas a fechar – com um enorme e corrido balcão de madeira virado para a rua encostado às também enormes janelas, onde apetece ficar horas com uma grande chávena de café (ou de chocolate quente, no caso dos miúdos) aproveitando os confortáveis sofás. Ver o movimento da rua, ouvir uma música agradável e espreitar os imensos livros à disposição dos clientes – como é hábito aqui em cafés, restaurantes ou hotéis. Só é pena não sabermos ler sueco.

__________
Joana Batista cru­zou a Europa em carro de Por­tu­gal à Sué­cia, com pla­nos de seguir depois para novo des­tino. Conta aqui a experiência. Pode acom­pa­nhar mais deta­lhes da via­gem no blo­gue viajaremfamilia.com

Esta entrada foi publicada em Suécia com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/corrermundo/2013/07/27/estocolmo-a-cidade-onde-os-homens-de-gravata-andam-de-bicicleta/" title="Endereço para Estocolmo: a cidade onde os homens de gravata andam de bicicleta" rel="bookmark">endereço permamente.

2 comentários a Estocolmo: a cidade onde os homens de gravata andam de bicicleta

  1. uma breve mensagem para a Joana, com os meus parabéns por ter esse amor PELAS VIAGENS,.. acho,realmente, que é a uunica coisa que mais prazer da’ na vida..
    Se me permite, so’ uma pequena observaçao..o título do artigo “ Estocolmo: a cidade onde os homens de gravata andam de bicicleta
    talvez não seja muito acertado.
    Porquê? Porque na Itália,por exemplo, durante todo o Verão, quem mora nos antigos centros das cidades, do Norte e do Centro, quase sempre planas, é muito comum ver homens de gravata a irem de bicicleta para os seus trabalhos, assim como mulheres, elegantes como as italianas sabem ser, a deslocarem-se de bicicleta para todo o lado dos seus afazeres do dia a dia. A minha intenção era, simplemente a de alargar a visão. Muito cumprimentos. manuela

    Responder
    • Obrigada Manuela pelo comentário. Acredito que haverá muitos outros lugares no mundo onde homens e mulheres andam de bicicleta elegantemente vestidos para irem trabalhar. O título do artigo foi retirado de uma observação do meu filho, que me pareceu bastante engraçada e completamente inocente na altura. Espero que continue a seguir as minhas viagens e a colaborar sempre! Joana

      Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>