The Portuguese Wine Invasion – a invasão dos vinhos portugueses

portuguese_wine_invasionDurante mui­tos anos falá­mos do nossa pai­xão por Por­tu­gal, mas desde que nos mudá­mos para o Porto, ape­nas há alguns meses, ficá­mos cho­ca­dos com o número de pes­soas que des­co­nhece esta cidade. Isto tornou-se mais evi­dente quando regres­sá­mos aos Esta­dos Uni­dos e apercebemo-nos que, à excep­ção do Vinho do Porto, ape­nas um punhado de geeks de vinhos esta­vam fami­li­a­ri­za­dos com o vinho por­tu­guês. Ficá­mos de cora­ção par­tido ao ouvir­mos repe­ti­da­mente esta ideia. Como é lógico, que­re­mos que as pes­soas sai­bam coi­sas sobre Por­tu­gal. Que­re­mos que as pes­soas tenham a mesma ale­gria e entu­siasmo que os por­tu­gue­ses têm.

Rapi­da­mente apercebemo-nos que seria impos­sí­vel com­prar um bilhete de avião a cada um dos nos­sos ami­gos para visi­ta­rem Por­tu­gal, mas podía­mos, é claro, levar Por­tu­gal até eles.

Com esta ideia em mente, e apercebendo-nos de algu­mas lacu­nas no calen­dá­rio de pro­mo­ção dos vinhos por­tu­gue­ses da Vini­Por­tu­gal nos Esta­dos Uni­dos, deci­di­mos colo­car em prá­tica a nossa ideia. Seria pos­sí­vel jun­tar cinco cida­des do Midwest, facil­mente liga­das por auto­mó­vel, sur­pre­en­der com uma gene­rosa dose de gas­tro­no­mia sau­dá­vel e apre­sen­tar o vinho por­tu­guês a um número con­si­de­rá­vel de entu­si­as­tas? SIM! Por­que não? A única forma de saber­mos se esta ideia resul­ta­ria seria colocando-a em prática.

E che­gou depois a parte difí­cil: os pro­du­to­res de vinhos. Esta foi, de longe, a parte mais desa­fi­ante deste pro­jecto. Con­tudo, aca­bá­mos por encon­trar 4 quin­tas pro­du­to­ras, ávidas de assu­mirem este risco: Poças Júnior, Quevedo, Julia Kemper e Quinta de Gomariz.

Os dados estavam lançados.

Esta­mos agora a cami­nho do cen­tro dos EUA onde os vos­sos vinhos não exis­tem. O nosso objec­tivo não passa por ven­der o vinho por­tu­guês, antes ven­der a marca Por­tu­gal. Mesmo que hou­vesse algum fluxo de ven­das, esta não seria uma solu­ção a longo prazo.

O que cau­sará impacto será se os ame­ri­ca­nos con­se­gui­rem indi­car Por­tu­gal no mapa e disserem “Não só sei onde fica Por­tu­gal, como um dia ado­ra­ria visita-lo.

Para nossa grande sur­presa, todos concordaram!

Este pro­jecto é um exce­lente exem­plo de cola­bo­ra­ção. Todos nós assu­mi­mos os ris­cos e fize­mos sacri­fí­cios para asse­gu­rar que esta via­gem cor­resse bem. Enca­ra­mos o pro­jecto como um inves­ti­mento para o futuro, que ajuda a difun­dir a ideia de que Por­tu­gal merece a aten­ção, o inte­resse e a curi­o­si­dade de todos.

Lou­cura? Tal­vez. Mas se cor­rer bem, ado­ra­ría­mos vol­tar a repe­tir este pro­jecto várias vezes ao ano com dife­rentes pro­du­to­res, em dife­ren­tes Estados.

Nesta edi­ção do pro­jecto, visitaremos:

– Min­ne­a­po­lis e St.Paul, Estado do Min­ne­sota – 30 de maio
– Kan­sas City, Estado do Mis­souri – 31 de maio
– St.Louis, Estado do Mis­souri – 1 de junho
– Indi­a­na­po­lis, Estado do Indi­ana – 2 de junho
– Chi­cago, Estado do Illi­nois – 3 e 4 de junho

Como podem cons­ta­tar, o dia 1 já ter­mi­nou. Assola-nos agora a ques­tão: como ava­liar o sucesso deste pro­jeto? É uma ques­tão difí­cil… garanto-vos!

Será o número de gar­ra­fas con­su­mi­das? Será o número de pes­soas que esti­ve­rem pre­sen­tes em cada evento? Ou será o número de vezes que ouvir­mos a frase “Ire­mos a Por­tu­gal”?

Pes­so­al­mente, aposto nesta última! No dia 30, um coro infin­dá­vel de vozes encantou-se com a ideia de visi­tar um país que pro­va­vel­mente já tinham ouvido falar, mas que rara­mente o teriam con­si­de­rado como des­tino de férias.

O vinho é uma caixa de Pan­dora. Cada gar­rafa encerra em si o sabor de uma terra dis­tante, de luga­res que cada um ima­gina nos seus sonhos e deseja visi­tar “um dia” no futuro. Mas isto só se pode tor­nar rea­li­dade tendo um pro­du­tor por­tu­guês pre­sente, dando enfâse às his­tó­rias fan­tás­ti­cas asso­ci­a­das a cada vinho. É como se o pro­du­tor esti­vesse a dizer “Sim, não é ape­nas o meu vinho que é real, eu tam­bém o sou, o meu país existe e é um lugar que deveria explo­rar!

Ver a exci­ta­ção nos olhos deles, como se esti­ves­sem a sonhar em pleno dia, fazendo as malas com des­tino a filas inter­mi­ná­veis de vinhas, aqueceu os nos­sos cora­ções. E isto pro­vou uma das nos­sas teo­ria iniciais:

Nin­guém pode espe­rar que o mundo surga à nossa porta, deve­mos ser nós a ir ter com eles e ser­mos pro-activos ao par­ti­lhar quem nós somos e a importância da nossa his­tó­ria.

Obri­gado Min­ne­sota pela forma como nos rece­beste. As nos­sas pri­mei­ras acções no Bour­get Imports, Solo­Vino Wines e no Cafe Ena inspiraram-nos! Acre­di­ta­mos que estas boas vibra­ções nos irão con­ti­nuar a acom­pa­nhar ao longo de toda a viagem!

Sigam-nos em www.PortugueseWineInvasion.com e no twit­ter @ptwineinvasionas ao longo da nossa jor­na­da. A pró­xima para­gem será em Kan­sas City, onde vamos encon­trar Doug Frost na Cel­lar Rat Wines e na The Ame­ri­can Kitchen!

Esta entrada foi publicada em América do Norte, EUA com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/corrermundo/2013/06/02/the-portuguese-wine-insavion-a-invasao-dos-vinhos-portugueses/" title="Endereço para The Portuguese Wine Invasion – a invasão dos vinhos portugueses" rel="bookmark">endereço permamente.

3 comentários a The Portuguese Wine Invasion – a invasão dos vinhos portugueses

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>