Relaxe… 28 horas depois

A expectativa de experimentar o A380 saiu gorada. Apesar da multidão com destino a Banguecoque – entre os quais, vários supostamente experientes “lobos solitários”… – não era suficiente para merecer o rei dos ares. Aliás, nem o vislumbramos no Dubai.

A tripulação da Emirates era agora menos “internacional”. O Medio Oriente sobressaia entre os assistentes de bordo. Ainda assim, a mesma simpatia.

Entreti-me com o filme coreano “Tudo sobre a minha mulher”. Carlos reinou no pocker (multiplicou por 40 a fictícia fortuna), até perder tudo no black jack. Fernanda começava a ver os filmes, mas, invariavelmente, adormecia minutos depois.

Pouco mais de meia hora na fila da emigração. Entrar na Tailândia pode demorar um pouco, mas não é complicada.

Cá fora oferecem-nos táxi, mas é o novo Skyline que vamos experimentar. Em 25 minutos no centro da cidade. Por um euro. Por mais dois e meio, mais 30 minutos de tuc tuc no infernal trânsito ate à desejada e nossa bem conhecida Rambutri.

Bares, restaurantes, todo o tipo de comércio. Frutas. Petiscos com exóticos insectos. Música e demasiados estrangeiros. Mas, aqui, sabíamos que ía ser assim. Afastamo-nos 100 metros. À segunda tentativa, temos quarto. A nossa modesta casinha.Minutos depois, em esplanada, já recordamos o sabor de Pad Thai, com vegetais, frango e amendoins doces ralados. Shang fresca big size. Hummm… mais de 28 horas após termos partido, finalmente a descompressão.
www.bornfreee.com
Esta entrada foi publicada em Ásia com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/corrermundo/2012/11/16/relaxe-28-horas-depois/" title="Endereço para Relaxe… 28 horas depois" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>