Leitura do jornal e regresso a Katmandu

Tomei o pequeno-almoço no Maya, como de costume. O empregado do costume perguntou-me se eu queria o costume (muesli, fruta e iogurte, mais um pote de café orgânico). Disse que sim.

Trouxe-me o jornal de língua inglesa. Fiquei a saber que a tentativa do governo de prolongar a assembleia constituinte por mais três meses não deve passar, que o acordo para mudar a Constituição também não deve ser conseguido, que mais chatices andam na calha.

Lá mais para o fim do jornal, a foto duma actriz indiana em Cannes ilustrava a notícia que acabavam ali os seis meses de especulação sobre que vestido levaria a mocinha ao festival, se de designer internacional (como ela tinha a mania), se de designer indiano (como já era devido). O designer era dum país qualquer, mas, pelo menos, o país pode dormir descansado até ao próximo período especulativo.

Regresso a uma Katmandu mais calma do que a que deixei.

Em cima de um prédio, um grande cartaz com um canastrão indiano de meia-idade e olhos de carneiro mal morto, intitulado “Príncipe de Bollywood, Rei dos Corações”, continua a vender LCD.

No terraço do Doce Vita chega a música do bar do lado. Lou Reed e Tracy Chapman. Peço uma pizza vegetariana. Poupo-me o caril. E a contabilidade das almas.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>