No mercado

Eram sobretudo mulheres que vendiam e compravam nas bancas num dos mercados de Yogyakarta. Decidimos parar quando percebemos que o mercado de frescos prometia fruta e sobretudo cor. Além disso, havia roupa, brinquedos, utilidades domésticas e agrícolas.

A estrutura de madeira em tons cor-de-rosa protegia-nos do sol forte do meio-dia e o ar corria brando entre as pessoas e mercadorias. A curiosidade levava-nos a ver, e cheirar foi muitas vezes o melhor meio de identificar frutas e vegetais aparentemente desconhecidos. As bananas eram de diferentes tamanhos, feitios e aromas; as mangas eram de um verde homogéneo mas o interior mostrava um amarelo intenso e perfumado.

As vendedoras olhavam-nos sem interesse especial porque percebiam que não éramos bons compradores. Os olhos ficaram presos ao vermelho vivo das melancias e ao verde ácido das limas mas ficamo-nos por um abacaxi sumarento cortado de forma caprichosa.

Para entreter o caminho, trouxemos um saquinho de sementes tostadas. Não soubemos o nome nem a origem, mas devíamos ter comprado mais.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>