Malária, cobras e outros dilemas do viajante

Desde que iniciei esta viagem que as perguntas que tinha eram infinitas. Desde medicação, roupa e muitas outras coisas de que já falei noutro post. A verdade é que agora que estou cá, e 26 dias depois, as coisas mudaram bastante.

Tudo começou com os efeitos secundários da medicação contra a malária. No início nada aconteceu, e mesmo quando em Portugal, todos os possíveis sintomas nunca se manifestaram. A minha pouca experiência em neurociências, e alguma estupidez, fizeram-me continuar a tomar a medicação. Após 9 dias, comecei então a sentir os efeitos. Desde sonhos vividos, alucinações, irritabilidade, tudo se manifestou, e honestamente não estava minimamente preparado para tal. Resumindo uma longa história que quero deixar para trás, acabei por deixar de tomar a medicação, complementando tudo com repelente para mosquitos e roupa comprida.

Isto de viajar, não vem explicado em livros, nem em guias. Não pode ser comprado, ou aprendido, e nunca estamos preparados para coisas como ter uma cobra de 3 metros na nossa casa de banho, esquemas por parte dos locais, para ganharem uns míseros 50 cêntimos, entre outras coisas. Nada nos prepara para a solidão extrema que por vezes sentimos quando estamos sós, ou quando lemos e-mails de casa. Ainda espero aprender muito com isto, mas no entanto já aprendi algumas coisas que posso tentar explicar a quem quiser colocar algumas questões.

Aprendi principalmente que existem dois tipos de viajantes. Os que viajam e os que procuram algo. No fim quem se diverte, são os que procuram algo, e os que procuram aprender. Os restantes escondem-se em cafés caros, e hotéis de luxo. Não quero dizer com isto que eles não se divirtam também. No entanto esses sim fazem férias, os outros, procuram algo cá dentro, procuram o que nunca conseguiram encontrar no seu país.

10 comentários a Malária, cobras e outros dilemas do viajante

  1. Olá Filipe! Parabens pela tua coragem, um dia ainda irei seguir as tuas pegadas 😛
    Se não é indiscrição qual a medicação que estas a tomar, o anti-malárico é o mephaquin? Também eu tive a tomar anti-malaricos de julho a setembro numa viagem que fiz até africa, felizmente não tive grandes efeitos secundários, mas colegas meus apresentaram os mesmo sintomas que tu e sei que é realmente chato. Paras-te por completo a toma? Por vezes fazendo uma alteração ao horário (que deverá ser evitavel) pode atenuar alguns sintomas como as insonias ou pesadelos.
    Desejo-te a maior sorte para esta tua viagem.

    Responder
    • Olá Daniela. Muito obrigado. No entanto admito que a coragem é pouca. Tenho sentido isso a cada dia que passa, quando sinto saudades de casa, e de muitas coisas que deixei para trás.
      Quanto aos medicamentos, estava a tomar o Mefaquim/Lariam. Os efeitos secundários eram terriveis, mas sei de pessoas que nunca sentiram nada. Normalmente eles surgem após dois meses, mas depende muito de pessoa para pessoa. A minha namorada por exemplo perdeu a cabeça com os medicamentos e só para ter uma ideia, nunca mais tive noticias dela. Aconselho a toda a gente a nunca tomar medicamentos anti-maláricos, devido ao perigo de algo semelhante acontecer.
      Mais uma vez muito obrigado.

      Responder
      • Olá Filipe,

        Por desconhecimento dos efeitos secundários também tomei mephaquin para fazer a prevenção da malária e quase 2 meses depois de tomar o último comprimido, por vezes ainda sinto tonturas, confusão mental, intolerância ao sol, sonhos estranhos… Sabes quanto tempo o medicamento demora a sair do organismo?
        Obrigada
        Cps

        António

        Responder
        • Olá António.

          Depende muito. Posso dizer que li tudo o que havia para ler sobre mephaquin/lariam e mesmo assim ainda sinto que não sei o suficiente. Em média os efeitos persistem por 3 meses mas posso dizer sem o querer assustar que comigo duraram 1 ano e ainda hoje quase dois anos depois sinto que algo mudou.
          O meu conselho é simples já que nada se pode fazer. Adapte-se a estes sintomas e tente manter-se calmo. Reparei que se me sentir demasiado stressado ou ansioso, os sintomas apareciam mais rapidamente. No entanto desde que comecei a manter a calma, tudo muda e esses sintomas não aparecem.
          Apenas posso desejar boa sorte e que tal como disse que tente manter a calma já que até a confusão mental de que fala é facilmente resolvida com isso.
          Posso também dizer que álcool não ajuda nada e tende a piorar tudo.

          Se precisar de mais dicas diga que podemos também falar por e-mail.

          Abraço

          Fil

          Responder
  2. Bem, desde já tenho de lhe dar os parabéns pela sua coragem de por mochila ás costas e partir. Espero que a procura seja proveitosa, como aparentemente está a ser!!!! :) Gostava de um dia ter a sua coragem, mas duvido… Portanto fico a admirar pessoas como o Filipe, que partem sem destino, mas com a certeza de que vai valer a pena…realmente viajar é bem diferente de tirar férias…. Boa sorte, nesta viajem e partilhe connosco as suas experiências :)

    Responder
    • Muito obrigado. Claro que nem tudo são maravilhas. Ganhei muito com esta viagem mas também já perdi muito. Por exemplo de momento estou num café à espera dum taxi que me irá deixar numa esquina da autoestrada a 10km daqui, onde espero que um autocarro me venha buscar às 00h.

      Responder
      • Acredito que nem tudo seja fácil…Mas acho que vai valer a pena, mas isso é algo que só o Filipe poderá descobrir (e espero mm que consiga). Sempre perdemos algo pelos caminhos que optamos seguir, mas o importante e que consigamos seguir em frente, mm que não corra tão bem quanto o esperado. O bom desta vida e nós continuamos cá para traçar um caminho diferente se aquele onde nos encontramos não nos levar a nenhum lado :) Bem Força nisso!!!!!!!

        Responder
  3. Quando visitei a Índia também tomei comprimidos para a Malária que me atacaram o fígado e andei toda a viagem mal disposta. Aprendi e quando visitei a Guatemala, apesar da recomendação para tomar comprimidos, optei pelo repelente de insectos e
    safei-me!!

    Responder

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>