PÚBLICO

O blogue de 10 políticos em campanha

Comício Público

PCP

João Oliveira

Perguntas na cabeça no momento do voto

Quando votei, na freguesia de Canaviais, no concelho de Évora, já muita gente tinha votado e já havia notícias de uma afluência às urnas superior à das últimas eleições legislativas.
Saber se cada um desses votos vai ser respeitado e se as expectativas de cada um que vota serão cumpridas é a pergunta que começará a ser respondida amanhã.
Para que vai servir cada um destes votos e cada um dos deputados eleitos?
E com que força se fará a luta que é preciso fazer para vencer os problemas do país? Continuar a ler →

Remover obstáculos ao desenvolvimento do país (III): a renegociação da dívida

A dívida pública portuguesa é impagável, reproduz-se de ano para ano e, sem renegociação, não é possível diminuí-la substancialmente. Pelo contrário, se as taxas de juro voltarem a subir significativamente, a dívida, que é estruturalmente insustentável, retoma uma dinâmica incontrolável de crescimento. Recorde-se que, em apenas quatro anos, do final de 2010 ao final de 2014, aumentou mais de 50 mil milhões de euros. No final do primeiro semestre deste ano equivalia a 129% do PIB. Continuar a ler →

Remover obstáculos ao desenvolvimento do país (II): o controlo público da banca

A moeda, o crédito, o investimento, a atividade financeira, deviam estar ao serviço do desenvolvimento nacional, ao serviço dos trabalhadores, das famílias, das populações, das empresas, dos produtores, da economia nacional, do interesse público, do país. Mas a banca privada, restaurada a partir das privatizações do setor empresarial financeiro público, levadas a cabo pela mão de governos e de maiorias parlamentares de PS, PSD e CDS, virou aquela necessidade completamente do avesso. Em vez de valorizar as poupanças dos trabalhadores, engrossou os lucros dos grandes acionistas e gestores, agravou a distribuição do rendimento a favor do capital. Continuar a ler →

Remover obstáculos ao desenvolvimento do país (I): a libertação do euro

Desde a adesão ao euro, Portugal é um dos países que menos cresce na Europa e no mundo. Produz hoje menos riqueza do que quando se introduziram as notas de euro. Quase década e meia perdida. O euro é uma moeda ajustada às necessidades e aos interesses da alta finança europeia, à capacidade produtiva e exportadora da Alemanha. Que contrai o investimento e condiciona o nosso crescimento. Que encarece as nossas exportações, substitui as nossas produções por importações, arruína a nossa indústria e a nossa agricultura. Continuar a ler →

Uma campanha a mil vozes

Todos os dias há milhares de militantes e activistas da CDU em centenas de iniciativas de campanha por todo o país.
É certo que se trata de uma campanha diferente, longe dos holofotes e dos microfones, em que as pessoas são ouvidas e têm resposta aos problemas ou preocupações que colocam.
É certo que é uma campanha que muitos gostariam que não fosse feita para que as sondagens, os alinhamentos dos telejornais ou as primeiras páginas fossem ainda mais eficazes na manipulação das cabeças. Continuar a ler →