PÚBLICO

O blogue de 10 políticos em campanha

Comício Público

A Corrupção da Linguagem e o Branqueamento da Memória pela direita (II): A questão da governabilidade e o designado «empate técnico» nas sondagens

As direitas políticas têm poderosos aliados na maioria dos jornalistas / comentadores, nos grandes conglomerados mediáticos, nos mass media predominantemente conservadores e alinhados à direita! E, por isso, amiúde a direita política, PSD e CDS-PP, nem precisa de corromper a linguagem e branquear a memória história, o jornalismo mainstream fá-lo por ela. É o caso do tema da governabilidade e do tema do designado «empate técnico» nas sondagens.
Em 2011, PSD e CDS-PP tiverem juntos 50,5% dos votos. Hoje as «tracking polls», cuja adequabilidade para medir o estado atual da opinião é bastante duvidoso para mim (veja-se o elevado nível de indecisos e/ou de pessoas que recusam responder), deram em média, em Setembro, 38,6% ao PàF (PSD e CDS-PP) e 49,4% ao PS, PCP/CDU e BE juntos (e há outras esquerdas e centro-esquerda, LIVRE-TDA, PAN, etc.) – ver aqui. Ou seja, a direita está em clara minoria no eleitorado que declarou o seu sentido de voto, a esquerda tem uma clara maioria. Chamam a isto «empate técnico». É preciso dizer mais alguma coisa sobre corrupção da linguagem pelos mass media (alinhados à direita) e pela direita política? Penso que não… poderão dizer-me, «mas essas esquerdas são capazes de somar para formar governo?» Essa é uma boa questão, mas é outro assunto e merece outro post…
(PS: esta é uma resposta, parcial porém, para o comentário do Tiago Vasconcelos, a quem mais uma vez agradeço pelo dito)

Sobre a governabilidade, basta lembrar o seguinte. Como já disse noutro post aqui no Comício Público: «todos os governos que juntaram a esquerda e a direita (PS e CDS-PP, 1977-1978; PS e PSD, 1983-1985; PS e PSD, este como «partido de suporte» no parlamento, 2009-2011) foram sempre de muito curta duração, ou seja, foram sempre governos instáveis. É fácil perceber porquê: se se juntam num mesmo governo partidos que competem e devem competir pelo controle do governo, logo que haja oportunidade (e sondagens favoráveis para isso…) um deles deitará o governo abaixo para controlar sozinho o governo.» Ou seja, o histórico dos governos do PS com os partidos à sua direita é um histórico de instabilidade, ou seja, de ingovernabilidade… ao contrário do que é dito, portanto! É certo que não sabemos como será um governo de esquerdas, embora saibamos que quando o PCP/CDU entrou nisso tivemos uma governação sólida e disciplinada (ver C. M. de Lisboa, 1989-2001) e que quando o BE entrou nisso nem tanto (ver C.M.de Lisboa, 2007-2009), porque elas nunca foram a jogo no governo nacional… mas isso é outra conversa e merece outro post… uma coisa é certo: a história ensina-nos que um governo do PS com os partidos à sua direita gera instabilidade/ingovernabilidade, não o que propagandeiam os mass media mainstream ou a direita política no poder, que quer ficar no governo mesmo perdendo as eleições… Mais um exemplo de corrupção da linguagem e branqueamento da memória histórica!… Mais palavras para quê?

Comentários

9 comentários a “A Corrupção da Linguagem e o Branqueamento da Memória pela direita (II): A questão da governabilidade e o designado «empate técnico» nas sondagens”

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *