Outros tempos, outros costumes

Ciberescritas
isabel.coutinho@publico.pt

José Saramago acabou de escrever “Claraboia” no dia 5 de Janeiro de 1953. Era o seu segundo romance. Assinou-o com o pseudónimo de Honorato e dedicou-o à memória do avô, Jerónimo Hilário.Abriu-o com uma epígrafe de Raul Brandão: “Em todas as almas, como em todas as casas, /além da fachada, há um interior escondido”.
Encarregou um amigo de o enviar para um editor mas nunca lhe deram resposta sobre se o livro ia ser publicado ou não. Decidiu que deixaria de ser escritor e durante vinte anos não quis publicar nada mais. “Claraboia” permaneceu inédito durante estes anos todos. Mas desde a meia-noite de 30 de Setembro que o romance está disponível em versão ebook. Pode ser comprado e descarregado em qualquer lugar do mundo através da loja online mediabooks.com (para ser lido no computador) ou comprado através da aplicação Leya-MediaBooks, que pode ser descarregada através da loja de aplicações da Apple e permite que o livro seja lido no iPad ou no iPhone. Esta semana a versão impressa de “Claraboia” (ed. Caminho) chegou às livrarias portuguesas.
No primeiro capítulo Silvestre, o sapateiro, levanta-se da cama e discute com Mariana sobre se deverão ter ou não novo hóspede. Lá fora, na rua, ouve-se a voz de uma mulher a apregoar fava-rica. “Silvestre não chegava a perceber como vivia aquela mulher. Nenhum dos seus conhecidos comia favarica, ele próprio não a comia há mais de vinte anos. Outros tempos, outros costumes, outras comidas. ” (pág. 11).
Esta frase “outros tempos, outros costumes”, escrita por Saramago em 1953, cai como uma cereja no que aqui está a acontecer. É quase premonitória. Pedro Sobral, responsável pela plataforma de ebooks da Leya, confirma que é a primeira vez que em Portugal uma obra de um grande autor de língua portuguesa “é colocada à venda em exclusivo antes da versão em papel”.
Quanto a números de “downloads”, a Leya não tem por hábito divulgá-los. Mas “as vendas estão a correr muito bem quer na nossa aplicação para Apple onde está disponível desde a meia noite de 30 de Setembro, quer na nossa loja online mediabooks.com”, diz. Espera-se que este seja o ebook com maiores vendas desde que foi lançado o projecto Leya de livros em formato digital.
A publicação do livro foi atribulada. Quando o Nobel da Literatura 1998 tinha 30 anos deu a um amigo o manuscrito de “Claraboia” para que ele o entregasse a uma editora portuguesa. Essa editora não mostrou interesse em o publicar. “Decisão que Saramago poderia aceitar, mas nunca daquela forma, durante meses e anos não lhe responderam e, para além disso, não devolveram o original”, lê-se a propósito do lançamento do livro no site da Fundação José Saramago. Quarenta anos depois, Saramago foi contactado por essa editora com a “insólita notícia” de que “numa mudança de instalações se havia encontrado um manuscrito e que estariam muito interessados em publicar”. Saramago respondeu que já não era o momento. Não quis ver “Claraboia” publicado em vida mas deixou escrito que os que lhe sobrevivessem fizessem o que pensassem ser conveniente.
Assim fizeram. O blogue “O Caderno de Saramago” (que o escritor manteve nos últimos anos) junta-se à iniciativa da publicação e cada dia deste mês publica pequenos fragmentos deste “livro que foi escrito nos primeiros anos da década de 1950 para ser lido exactamente agora.”

Leya-Media-Books
http://www.mediabooks.com/

Outros cadernos de Saramago
http://caderno.josesaramago.org/

(crónica publicada no ípsilon de 21 de Outubro de 2011)

Esta entrada foi publicada em Ciberescritas, Ípsilon com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/ciberescritas/2011/11/15/outros-tempos-outros-costumes/" title="Endereço para Outros tempos, outros costumes" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário