Amanhã pode ler no caderno Ípsilon

NA CAPA

Mamma Rita
A primeira imagem que guardámos dela é revestida de uma estranheza mágica. Hoje não podia ser mais verdadeira esta mulher de pés assentes na terra. Pode ser esta a biografia de uma actriz: é que Rita Blanco é uma actriz-autora. Márcia, a mãe de “Sangue do Meu Sangue”, de João Canijo (estreia a 5 de Outubro), é um ponto culminante de uma relação de comoção com as personagens. “As pessoas valem muito a pena, eu só sou actriz para falar sobre as pessoas”. Por Tiago Bartolomeu Costa e Vasco Câmara

Feist – Nunca a ouvimos tão introspectiva
Depois do sucesso do anterior álbum,a canadiana Feist podia fazer render o entusiasmo. Em vez disso, procurou o silêncio. Daí saiu o conjunto de canções mais densas e introspectivas do seu percurso: “Metals”.

Willem De Koning redux
Uma exposição que vale milhares de milhões, uma obra que desafia as classificações, um artista pronto para o seu “close-up”: “Willem De Kooning: A Retrospective” é a grande exposição de Outono do Museum of Modern Art (MoMA). Até 9 de Janeiro, versão revista e aumentada da obra do expressionista abstracto que não gostava de o ser.

Deixar um comentário