Nada (e tudo) de cultura


(fotografia “Vendedor de amendoim” de Luiz Braga, que foi o artista escolhido para dar início à “Sala 21″ no blogue do IMS).

Ciberescritas
Isabel.Coutinho@publico.pt

Alegria, alegria. O escritor Paulo Roberto Pires (durante anos director editorial da Agir e Nova Fronteira foi o editor de Rubem Fonseca quando o escritor saiu da Companhia das Letras) andava desaparecido.

O blogue que mantinha na revista brasileira “Bravo!” uma revista mensal de cultura onde escreve -estava há meses parado. Mas aquele que é agora o editor da “serrote”, uma revista quadrimestral (sai em Março, Julho e Novembro) de ensaios, literatura, fotografia e arte publicada pelo Instituto Moreira Salles (IMS), deu à costa.

A boa notícia é que podemos agora ler os seus textos no Blog do IMS, que foi lançado a 24 de Janeiro. “É com a liberdade da primeira pessoa e a eleição livre de temas que começo hoje minha terceira encarnação de blogueiro”, diz ele (as encarnações anteriores foram as suas participação no site em NoMínimo e na “Bravo!”). Nesta primeira crónica, Paulo fala da leitura que fez de “How to live A life of Montaigne in one question and twenty atempts at an answer”, de Sarah Bakewell.

O Blog do IMS é um complemento do website do instituto cultural brasileiro (www.ims.com.br). Tem conteúdos exclusivos e secções fixas. Por exemplo, “Sala 21”: convida fotógrafos brasileiros a produzirem um ensaio visual, onde mostram imagens inéditas ou propõem novo olhar sobre seu trabalho. “A proposta é formar, ao fim da série, um recorte significativo da fotografia brasileira contemporânea a partir de nomes que não integram o acervo IMS, mas que exercem trabalhos relevantes e de grande interesse documental e estético”, explica-se. A primeira galeria virtual publicada nessa secção -“Série 6×6” foi realizada pelo fotógrafo Luiz Braga (artista convidado do pavilhão brasileiro na Bienal de Veneza em 2009). Na secção “Quadro a quadro”, pinturas e desenhos do acervo de artes plásticas do IMS serão comentados por convidados na estreia do blogue, é o crítico e escritor Davi Arrigucci Jr. que escreve sobre o quadro “Duas figuras” (1920), de Ismael Nery. E na secção “Por dentro do acervo” obras de fotógrafos consagrados que pertencem ao acervo do IMS são comentadas (em áudio) por especialistas o antropólogo Eduardo Viveiros de Castro fala, na estreia, sobre imagens de índios feitas por Maureen Bisilliat, Marc Ferrez, José Medeiros, Henri Ballot, Alice Brill e Albert Frisch.

A revista de ensaios “serrote” também tem o seu espaço nesta página web. Secção “Desentendimento”: vídeos onde se debatem temas importantes de cultura e política. O Lulismo é o primeiro assunto discutido, com uma conversa entre os cientistas políticos André Singer e José Arthur Giannotti, mediada pelo jornalista Mário Sergio Conti.

Por fim, “Correspondência” é uma secção muito engraçada. Dois convidados, que já se conhecem, trocam mensagens cujo tema será escolhido por eles próprios. A primeira conversa é entre o escritor Daniel Galera (publicado por cá, na Caminho) e o editor André Conti. Durante dois meses, os dois trocarão cartas semanalmente. Falam de livros, literatura, jogos, Internet e de tatuagens. Já se pode espreitar a primeira carta de Galera: “Tava pensando em te consultar a respeito de um assunto, e esse assunto é: tatuagens”, diz o escritor. “Queria tatuar ‘This is water’, a expressão imortalizada pelo David Foster Wallace no discurso de paraninfo do Kenyon College. Sei que é um clichê, mas o próprio DFW era defensor do valor dos clichês, desde que bem empregados.”

Blog do IMS

http://blogdoims.uol.com.br/

(crónica publicada no caderno ípsilon do PÚBLICO de 28 de Janeiro de 2011)

Esta entrada foi publicada em Ciberescritas, Internet, Ípsilon com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/ciberescritas/2011/02/04/nada-e-tudo-de-cultura/" title="Endereço para Nada (e tudo) de cultura" rel="bookmark">endereço permamente.

Um comentário a Nada (e tudo) de cultura

Deixar um comentário