Mário de Moura, fundador da Pergaminho, cria nova editora aos 84 anos

O editor de Paulo Coelho em Portugal demitiu-se do grupo Bertelsmann e criou a Vogais & Companhia, que já tem um primeiro livro.

Mário de Moura, o editor responsável pela publicação do brasileiro Paulo Coelho em Portugal, demitiu-se do grupo Direct Group/Bertelsmann, a quem tinha vendido em 2008 as suas editoras e chancelas (Pergaminho, Arte Plural, Gestão Plus, Bico de Pena, O Quinto Selo) e criou uma nova editora. O Diário de Um Banana, de Jeff Kinney, é a primeira obra da Vogais & Companhia Edições a chegar às livrarias.
Com 84 anos e 55 de vida editorial, Mário de Moura vendeu o ano passado ao grupo alemão em Portugal (detentor do Círculo de Leitores, Bertrand e Quetzal) um catálogo de 700 títulos com cerca de 200 autores (facturavam 5 a 6 milhões de euros por ano). Levou também a sua equipa e ficou com as funções de director. Mas na altura tomou a decisão de não vender a sua distribuidora, que assegurava a distribuição dos livros da Pergaminho e das marcas a ela associadas.
“Apesar de ter quatro filhos, nenhum se interessava pela editora e resolvi vender. Vendi um catálogo e uma equipa e nunca valorizaram isso. A estrutura da Bertelsmann em Portugal está muito distante da estrutura que tem em outros países”, afirma. Mário de Moura ficou desiludido quando percebeu que afinal aquela “estrutura não é uma estrutura editorial”. “Não existem sinergias com as outras editoras do grupo nomeadamente com as espanholas. E, na minha opinião, os conceitos de gestão deles estão errados”, diz. “O que me interessa é editar a obra de um autor e não livros avulso. Um editor, para funcionar bem, tem que ter paixão pelo livro, respeitar muito os autores e o público”.
Em Dezembro, quando foi tomada a decisão da fusão da Pergaminho com a Bertrand demitiu-se e não pensava voltar a editar. Mas, como não tinha vendido a distribuidora – e continua a distribuir os livros da editora Pergaminho -, resolveu fazer uma pequena editora. Chamou-lhe Vogais & Companhia, já que a distribuidora é a Konsoante.

60 livros a caminho

Já tem contratados 60 títulos. Na literatura juvenil, começa com O Diário de Um Banana, de Jeff Kinney – o diário de Greg Heffley, um rapazinho fracote acompanhado por desenhos -, que está a apaixonar os miúdos americanos dos oito aos doze anos, que nunca lêem outros livros mas não largam estes. A personagem é uma mistura de Dennis, o pestinha, e de Bart Simpson.
O primeiro livro desta série foi publicado em 2007. Este primeiro volume aguentou-se 89 semanas na lista dos livros para crianças mais vendidos do New York Times e foi traduzido para 28 línguas. Está a ser adaptado ao cinema. Nos EUA, já saíram três volumes e Mário Moura vai publicá-los todos.
O Diário de Um Banana sai com o selo da editora portuguesa mas também com o selo da editora brasileira Vergara & Riba Editores, onde já estava editado. Isto porque os brasileiros estão a contratar os direitos dos livros para a língua portuguesa, que, depois da ractificação do acordo, é uma só.
Outra das apostas da editora é a publicação em Portugal dos livros do autor de ficção científica Scott Westerfeld, cuja série dedicada aos adolescentes, Uglies, está na lista dos best-sellers do New York Times e vai ser adaptada ao cinema. Bem como a série para jovens adultos Midnighters.
“Na área dos álbuns infantis, vamos privilegiar autores portugueses e temas realmente educativos e modernos”, conta Mário Moura. “Iniciaremos com o título O Gato que Amava a Mancha Laranja, de Elza Mesquita e Ana Pereira, sobre o abandono de animais, e as mesmas autoras vão adaptar um conto de António Sérgio sobre a fauna marítima. Teremos ainda uma colecção exclusivamente sobre ecologia e uma outra sobre folclore e a tradição oral na literatura portuguesa.”
Vão ter ainda livros de auto-ajuda e da área do esoterismo e darão oportunidade a autores portugueses. Estão também a lançar uma nova tradução de A Arte da Guerra, com base no texto original, feita por uma equipa que dedicou dez anos a este projecto. Quer ainda apostar no sector do audiolivro.
Mário de Moura não irá buscar autores seus que ficaram nas suas antigas editoras. Ele que vendeu 2 milhões e 200 mil livros de Paulo Coelho em Portugal acredita que parte do sucesso das suas editoras deriva da boa distribuição.
A sua distribuidora coloca livros não só nas grandes superfícies e nos espaços livreiros tradicionais como os seus vendedores percorrem o país em carrinhas e têm livros à venda em estações dos correios, estações de combustíveis, etc. “Vendemos em mais de 500 mil postos fora das livrarias e o nosso sistema informático é o mesmo que é utilizado pelas distribuidoras de cervejas.”

(Texto publicado no PÚBLICO no dia 11 de Abril de 2009)

Esta entrada foi publicada em Editoras, Editores e Livreiros com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/ciberescritas/2009/04/13/mario-de-moura-fundador-da-pergaminho-cria-nova-editora-livreira-aos-84-anos/" title="Endereço para Mário de Moura, fundador da Pergaminho, cria nova editora aos 84 anos" rel="bookmark">endereço permamente.

10 comentários a Mário de Moura, fundador da Pergaminho, cria nova editora aos 84 anos

  1. Gostaria muito de saber do Sr. Mário de Moura, se ele foi proprietário da Livraria Fundo de Cultura em São Paulo, na rua Dr. Vila Nova e tb se ele é pai do Pedro Filgueiras de Moura. É que trabalhei lá e gostaria muito de saber como estão.
    Grata
    Eva

  2. Gostaria de saber se está interessado em distribuir o meu livro “Um Século de Guerra no Mar” editado pela Editora Náutica Nacional, Lda que edita a Revista de Marinha.
    O livro retrata em 420 páginas todas as guerras navais do Século XX e foi parcialmente publicado na Revista de Marinha entre 1945 e 1949.
    O prefácio é do vice almirante Alexandre Fonseca e a obra foi apresentada no Clube Militar Naval pelo contra almirante Leiria Pinto, também historidor, e que dirigiu durante muitos anos a Escola Naval, além de ter comando os fuzileiros navais e diversos navios da Armada.

  3. Gostaria muito de obter o email ou outro meio de comunicação com o Sr Mario Moura, acompanho sua trajetoria desde a Editora Fundo de Cultura no Brasil nos anos 60. Desde já muito agradecido.

  4. sou brasileira e conheci o mário moura em 87 em lisboa , quando ele acabava de retornar a portugal. desde 89 nunca mais nos encontramos, e agora, por acaso, encontro esta reportagem sobre ele. gostaria muito de contactá-lo. vocês poderiam me fornecer o seu endereço?
    muito obrigada, claudia mattos

  5. Eu tive o prazer de conhecer pessoalmente o editor Mário de Moura e conversar com ele por um bom par de horas, é um poço de cultura, e pelo pouco que pude perceber, o seu amor é mesmo pelos livros e não pela venda, mas digo-vos já, este homem é uma “máquina” no que toca a vendas e percebe o mercado muito bem, pois acompanhou de perto o seu desenvolvimento. Eu pessoalmente acredito nesta nova editora, nas mãos deste senhor, todas dão em sucesso.

  6. Tenho dois livros publicados pela Editora do Conhecimento de Limeira São Paulo, ambos espiritualistas e de auto-ajuda: O primeiro Chama-se ” A força da Vida” e o segundo chamado “O lado de lá é aqui mesmo” foi lançado em Março/2009 já está esgotado nas livrarias das capitais e só pode ser adquirido através de sites como o da própria Editora do Conhecimento (http//www.edconhecimento.com.br), Livraria Cultura(http://www.livrariacultura com.br) etc.
    Gostaria de ver meus trabalhos nas estantes das livrarias portuguesas.Como fazer? Agradeceria qualquer tipo de ajuda ou esclarecimento
    Desde já agradeço Anna Gurgel

  7. Mário Moura publicou os primeiros livros, na Pergaminho, de um excelente autor português, António Manuel Venda. Não tenho muitos mais livros daquelas editoras que ele vendeu nem sei se vou ser leitora das novas escolhas editoriais, mas a atitude que tomou, por amor aos livros, parece-me muito louvável.

Deixar um comentário