A estratégia da Google

Ciberescritas

Isabel.Coutinho@publico.pt

“Treasure Island”, de Robert Louis Stevenson, foi o livro que escolhi dos eBooks em formato ePub que a Sony Reader disponibilizou gratuitamente a semana passada na sua loja norte-americana online depois do acordo com a Google. Estou a lê-lo no meu PC que é um “tablet” (tem um ecrã táctil e um caneta que serve de rato). Posso aumentar a letra de S até XXL, isto é, até cinco vezes. Posso fazer buscas por palavra-chave.
Depois, por acaso, tropecei num livro da minha infância, “Black Beauty, The autobiography of a horse”, de A. Sewell. E fiz o mesmo: descarreguei-o para o meu computador. Necessitei previamente de instalar o eBook Library Software no computador e foi a partir dele que descarreguei os livros.
Esta loja online da Sony (para os habitantes dos EUA e do Canadá) tem agora disponíveis mais livros em formato electrónico, eBooks, do que a loja online da Amazon.com. Graças a este acordo entre a Sony Corp e o Google Inc, a loja disponibiliza agora 600 mil livros, 500 mil dos quais podem ser descarregados gratuitamente.
Estas obras foram digitalizadas no âmbito do projecto Google Book Search, a pesquisa de livros do Google (www.books.google.com) que começou em 2004. A sua pesquisa pode ser feita por autor, tema ou título. São obras que se encontram no domínio público – logo, livres de direitos de autor nos EUA, foram escritas antes de 1923. São clássicos de Mark Twain, Kate Chopin, Jane Austen, Charles Dickens, etc.
Estas obras já estavam disponíveis para serem descarregadas gratuitamente através do Google Book Search em formato PDF para os computadores. A novidade é que estão agora disponíveis em formato ePub – que se adapta à leitura em ecrãs pequenos – e podem ser descarregados para o leitor de livros electrónicos Sony Reader no modelo PRS-505 – já à venda em alguns países da Europa – e também no modelo PRS-700 Reader (com ecrã táctil e ainda não disponível deste lado do Atlântico). Podem ser lidos também em computadores que tenham o software necessário instalado (só funciona em Windows), pois para transferir o livro electrónico da loja online da Sony para o aparelho Sony Reader é necessário passar sempre por um computador.
O que é importante aqui é que a Google que sempre disse que nunca iria entrar no negócio dos eBooks (ver opinião de James Bridle no BookTwo.org) escolheu aparentemente um parceiro, a Sony, como aliado numa guerra que no futuro pode enfraquecer a sua concorrente Amazon.com. Não nos podemos esquecer que a Google não tem só digitalizado na íntegra livros em domínio público, tem também na sua base de dados obras recentes.
E não nos podemos esquecer que se no iPhone, telemóvel da Apple, colocarmos no browser Safari o endereço do Google Books Search com a terminação para mobile, ficamos com uma aplicação no iPhone que serve também para ler estes livros em domínio público no telemóvel.
Foi o que fiz. Os mesmos livros que estão no meu computador estão também disponíveis no meu iPhone. Quem argumenta que este acordo entre a Google e a Sony (e a Apple que anda por aqui a pairar) é só manobra publicitária porque os livros agora disponíveis já o estavam, ou quem lembra que eBooks gratuitos em domínio público já existem desde o Projecto Gutenberg (criado por Michael Hart em 1971), é porque não percebe nada do que se está aqui a passar.

Loja Sony de eBooks
http://ebookstore.sony.com

eBook Library Software
http://ebookstore.sony.com/download/

Booktwo.org
http://booktwo.org/notebook/google-lies/

Book Google Search para os telemóveis
http://books.google.com/m

(Crónica publicada no suplemento ípsilon de 27 de Março de 2009)

Esta entrada foi publicada em Ciberescritas, Ípsilon com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/ciberescritas/2009/03/31/a-estrategia-da-google/" title="Endereço para A estratégia da Google" rel="bookmark">endereço permamente.

Um comentário a A estratégia da Google

  1. De facto “o pessoal” anda distraído, preocupante é que algum desse “pessoal” tem posições com poder de decisão no mundo(*)editorial.(*)agora mais do que nunca a palavra mundo enquanto associado ao Planeta Terra…. faz todo o sentido. Luis Duarte

Deixar um comentário