Vai nascer o Centro Mário Dionísio

Maria José Oliveira escreve hoje no caderno P2, do PÚBLICO, sobre o escritor Mário Dionísio ( Lisboa, 16/07//1916 – 17/11/1993).

Recorda a vida e a obra de um dos intelectuais mais influentes na história cultural, política e cívica do século XX português e dá notícia de que vai nascer na Baixa lisboeta, o Centro Mário Dionísio (CMD) – que servirá não só para reunir o vasto espólio do escritor, poeta, crítico, pintor, pedagogo e professor mas para muito mais.

Não será apenas um local de consulta do espólio de um dos importantes intelectuais do século XX português. O Centro Mário Dionísio, cuja abertura acontece no próximo ano, em Lisboa, pretende também ser um espaço de aprendizagens e de encontro. Amigos, familiares, antigos alunos, escritores, pintores e professores reuniram-se para fundar um lugar que vai lutar contra o esquecimento da vida e da obra do homem que foi ‘mestre'”.

(…)

“Quinze anos volvidos sobre a sua morte, Mário Dionísio continua a ser recordado como um ‘mestre’ (Urbano Tavares Rodrigues e Alexandre Pinheiro Torres) que ensinou a ler (Jorge Silva Melo) e a viver (Luís Miguel Cintra). ”

Para  ler o extenso artigo “Mário Dionísio: A obra continua viva” (clique aqui) e quando lá chegar clique na área de texto da imagem e o texto aparecerá legível na coluna ao lado (com a ajuda das setas veja página por página).

Esta entrada foi publicada em Escritor com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/ciberescritas/2008/09/26/vai-nascer-o-centro-mario-dionisio/" title="Endereço para Vai nascer o Centro Mário Dionísio" rel="bookmark">endereço permamente.

Um comentário a Vai nascer o Centro Mário Dionísio

  1. Fui aluno de Mário Dionísio no Liceu Camões nos primeiros anos de 60 – mas ainda hoje recordo vivamente as suas aulas que despertaram em mim um gosto irreprimível pela literatura e sobretudo o respeito absoluto pelos autores e pela sua obra. Como aluno nunca esqueci as suas aulas , que hoje reconheço terem sido fundamentais na minha formação como homem e como médico. Lembro-o como um grande pedagogo e a sua memória é-me extraordinariamente cara.

Deixar um comentário