Burned by Love, a explicação

Ciberescritas

“O Amor magoa. O Amor cura”

Isabel.Coutinho@publico.pt

Dentro do romance “The Gargoyle”, de Andrew Davidson, distribuído na Book Expo America meses antes de ir para as livrarias [ver texto neste suplemento] os leitores encontravam um cartão branco onde se lia: “O Amor magoa. O Amor cura. www.BurnedByLove.com Conte-nos a sua história (em 25 palavras ou menos).”
Este foi o primeiro passo de uma campanha de “marketing” que a editora Doubleday imaginou para o lançamento deste livro que a semana passada foi para as livrarias dos EUA e Canadá.
Além deste “site” onde os leitores podem contar as suas histórias e relações intensas, há uma série de vídeos de promoção do livro (os “video book trailers”). Num deles o escritor aparece a falar do romance e algumas das histórias são vagamente encenadas. Há uma versão para o mercado americano e outra para o mercado britânico.
Além disso, na página da editora na Internet foi colocado um “widget” que os “bloggers” podem replicar nos seus blogues e onde se pode ler o primeiro capítulo do livro, clicando página a página como se se estivesse com ele nas mãos. E como as redes sociais na Internet, onde as pessoas passam grande parte do tempo, são a nova aposta de editores e autores foi criada também uma página no MySpace dedicada ao romance e outra no Facebook.
No Flickr, que serve para as pessoas partilharem as suas fotografias, já há um grupo dedicado a “The Gargoyle” onde os leitores colocam fotografias de gárgulas (a personagem feminina principal é escultora de gárgulas).
Nas redes sociais que servem para catalogar e discutir livros, como Goodreads, Shelfari, iRead ou LibraryThing, o livro também está presente. Andando a passear por estes sítios encontra-se Andrew Davidson, o autor que cresceu no Canadá e aos 30 anos foi para o Japão. Aí divulga as críticas de que mais tem gostado, deixa mensagens e dialoga com os leitores. Mostra fotografias suas.
Mas bem feita é a campanha de “marketing” viral que a editora fez para promover o livro. Uma série de vídeos colocados no You Tube em que pessoas – actores contratados? (nunca o saberemos) – contam histórias de amor…
A aventura que uma rapariga teve em Nova Iorque, numa viagem de metro, com um desconhecido. Ele tinha um livro na mão, ela queria ver o título da capa, acabaram com as mãos a tocarem-se, apoiados no mesmo varão, e por fim ela beijou-o, abandonou a carruagem e nunca mais o viu…
A história de uma mulher mais velha que tentava enganar o namorado judeu ao fazer-se passar por judia, enquanto servia às mesas num bar. Ele um dia disse-lhe que sabia a verdade e que nunca lhe tinha passado pela cabeça, alguma vez, apresentá-la aos pais. Disse-lhe também que ela tinha um aspecto vulgar. E trocou-a por outra. No dia de São Valentim ela vingou-se e começou a fazer “striptease” no bar. Achou que ele ia ficar destroçado pelo facto de a ex-namorada se despir frente a outros homens. Anos depois ela contou-lhe. Ele respondeu: “Isso é muito excitante.” Está tudo no “site” Burned By Love.

The Gargoyle
http://doubleday.com/thegargoyle/

Burned by Love
http://burnedbylove.com/

Publicado no suplemento Ípsilon de 15 de Agosto de 2008

Esta entrada foi publicada em Ciberescritas, Ípsilon com os tópicos , . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/ciberescritas/2008/08/17/burned-by-love-a-explicacao/" title="Endereço para Burned by Love, a explicação" rel="bookmark">endereço permamente.

Deixar um comentário