Veneza: o ouro e o pechisbeque

Um coreano que há 12 anos chocou, agora (en)cantou. Um americano anda atrás do great american film – outro não percebe que a vida seja separada da ficção. Um mundo que se vê de olhos arregalados, o dos judeus ortodoxos. Um alemão perseguido pela palavra “escândalo” – deve-se acrescentar esta: “ternura”. E um chinês colossal. […]

Brian de Palma foi ao fundo do catálogo

Passion é uma história de despique entre duas mulheres, uma loura outra morena (um toque de Mulholland Drive para este desejo que se transforma em máquina de mentira e decepção). Em cenário de luxo corporativo o jogo de máscaras e os pesadelos estão sempre a ser sinalizados e destapados, Rachel McAdams e Noomi Rapace prestam-se […]

Brillante Mendoza regressa ao seu passado

Em Kinatay (2009) e Lola (2009) Brillante Mendoza chegara a um ponto tenso, cruel, de sobreposição entre o “documentário” e a “ficção”: como se encontrasse no “real” a matéria violenta dos “géneros” cinematográficos, o thriller ou o melodrama. Em Captive (2012) o “género” – qualquer coisa de bastardo, tinha a ver com o thriller e […]

Marco Bellochio desperta fantasmas

O filme inicia o seu fim, as imagens, até aí sempre escuras, nocturnas, começam a poder conviver com a luz, porque as personagens despertam de um sonho febril. É isto o que acontece ao espectador de Bella Addormentata, de Marco Bellochio (concurso), também – essa é a forma mais fiel de descrever a experiência que […]

Balaclavas, armas e bikinis

A imagem original, a fantasia que faz cócegas no cérebro, foi a de um grupo de raparigas de bikini na praia, armas e balaclavas. (Nada de exagerar na fantasias: isto aconteceu antes das Pussy Riot, e isto deve mais às sátiras grotescas de Russ Meyer.) Depois, imaginar um filme assim com um cast de actrizes […]

Kim Ki-duk, o abusador

Foi com A Ilha, entrada na competição de Veneza edição de 2000, que o sul coreano Kim Ki-duk começou a mostrar as garras a nivel internacional. No caso desse filme as garras eram anzóis: adereço com papel principal nos desmaios e vómitos de espectadores na sessão, rezam os relatos dessa edição. Tem feito para não […]

O regresso de Takeshi Kitano? Continua…

A percepção ocidental da obra de Takeshi Kitano continua a ser diferente da dos japoneses. Algo fica lost in translation. Às obras-primas Violent Cop (1989) Boiling Point (1990) ou Sonatine (1993), por exemplo, preferiram a vertente televisiva do actor da dupla Two Beats. Deve-lhes ter sido indiferente a consagração com o Leão de Ouro de […]