O fantasma chora por nós

YcomentárioVascob)2colIa jurar que na passada sexta-feira à noite a sala ia explodir em aplausos – teria sido necessário coragem para explodir, é assim que se agarra o que  desapareceu como um fantasma. Lágrimas e Suspiros desvanecia-se – o filme  diz “fim” como um sonho que se vai, agora é connosco, ficámos de olhos abertos. (Abrem-se com a luz da sala, custa ver nos outros o reflexo da nossa saciedade raiada com todo o vermelho desse filme – é como se fosse obsceno).

O que se tem passado no cinema Nimas, em Lisboa, desde o início de  Janeiro, são como cenas de um sonho. Aquelas em que nos vemos vultos transportados para um tempo ocupado por outro tempo, assombrados por sinais que são fantasmas a gritar num cenário (o encarnado da alcatifa do Nimas, por exemplo). Essa viagem é um túnel que pode começar nas imediações: figuras na noite que vêm a desabafar pelas ruas circundantes, procurando o seu lugar na experiência por que passaram (“ainda assim achei um bocado parado”; “Afinal percebi tudo”…). Isto antes de darmos com uma cena que é inédita nas últimas décadas: um  cinema de bairro que só se deixa ver depois de furado o grupo compacto que se junta na rua à espera da sessão seguinte: uma sala de cinema habitada, como as das Avenidas Novas dos anos 1970. Há quem fale como se não tivesse voltado a entrar numa sala de cinema desde essa década.  Mesmo que tenha, entretanto, entrado em salas para ver filmes. E isto tudo antes, finalmente, do silêncio com que se experimenta o silêncio.

Mais de dez mil espectadores, últimos números da distribuidora Leopardo Filmes, já passaram pelo ciclo Ingmar Bergman – 17 títulos, e 10 dos quais em versão restaurada, de Prisão (1949) até Fanny e Alexandre (1982). A primeira ronda acabou, a segunda, uma nova programação dos mesmos filmes, começa dia 6 e vai durar até Março (http://medeiafilmes.com/noticias/ver/noticia/ingmar-bergman-continua-em-lisboa-com-nova-programacao/).  Instala-se no Auditório Charlot de Setúbal até Maio, no dia 20 chega ao Teatro Campo Alegre, Porto, e há extensões avulsas programadas para Coimbra, Braga, Figueira da Foz, Castelo Branco ou Viseu.

Não é certo que este “fenómeno” pudesse ser reproduzido se em vez de Ingmar Bergman estivesse a ser programado um ciclo Antonioni, um ciclo Fellini ou um ciclo Kurosawa – mas podia-se experimentar. Bergman ficou no imaginário cinéfilo como figura totémica, uma imponência que o espectador tinha de tentar vencer, como se dobrasse o Bojador, se queria ser chamado de espectador. Nos anos 70, a intimidação e como vencê-la era aquilo que levava o público às salas para ver os filmes de Bergman, autor que como outros, como os iconoclastas americanos que fizeram a Nova Hollywood e que puderam existir depois dela, ou como os italianos da (erradamente apelidada) comédia à italiana (afinal, eram ferozes e trágicos), faziam os rituais e os acontecimentos da burguesia, logo do mainstream – imagine-se o bacanal de psicanálise privada a que Cenas da Vida Conjugal (1973) dario azo em directo (não é difícil imaginar, esse  silencioso turbilhão continua a ocupar a mente um espectador de hoje de Cenas da Vida Conjugal).

Ycomentáriovascoa)2col

O medo: ao lado do Nimas, numa outra sala, Lars von Trier exibe a sua incapacidade para intimidar (Ninfomaníaca volume I e II, chama-se). Ele sabe-o, e essa assunção pode tornar-nos condescendentes para com a algo trágica figura que é o adulto-criança Von Trier. Todavia, não nos faz gostar mais do filme. Diz-nos, de qualquer forma, algo sobre o que podemos esperar hoje enquanto espectadores: estamos a olhar para regressões a la Benjamin Button. Com Bergman somos nós as crianças. E Lágrimas e Suspiros talvez seja o filme do sueco em que o medo é tocado pelo terror puro – não é nada de laborioso, pode ser a silhueta a negro, couraça S&M, de Ingrid Thulin, os olhos verdes de Liv Ullmann com que a doçura se afia em crueldade ou as impurezas no lábio de Harriett Andersson de onde saem os gritos de cancerosa – as três irmãs do filme. Bergman renova o ritual iniciático do cinematógrafo como experiência de contacto com fantasmas, coisa de que nos fomos esquecendo. Por isso, todos, nostálgicos do passado e irredutíveis do presente, ouvem os gritos de Lágrimas e Suspiros como se fosse a primeira vez. O fantasma vai continuar a gritar. Não quer abandonar o mundo dos vivos. Chora por nós.

Esta entrada foi publicada em Ingmar Bergman, Lágrimas e Suspiros com os tópicos . Guarde o href="http://blogues.publico.pt/camaraescura/2014/02/04/o-fantasma-chora-por-nos/" title="Endereço para O fantasma chora por nós" rel="bookmark">endereço permamente.

4 comentários a O fantasma chora por nós

  1. Pingback: Numa fúria de ver e dar a ver | À pala de Walsh

  2. Queria dizer-lhe o quanto me impressionou a sua crónica sobre o ciclo de filmes de Ingmar Bergman. Lembrei-me de mim há mais de 20 anos atrás, ainda estudante de jornalismo, com a sorte de ter de estar em Lisboa e poder usar, entre muitas outras coisas, a Cinemateca. Não lhe vou dizer que aquilo que escreveu nesta crónica poderia ter sido eu a escrever, mas é verdade. Não tão bem, é claro. Obrigada.

    Responder
    • Obrigado Bárbara. este ciclo do Bergman comoveu-me mesmo – lembrei-me também de mim, que era uma criança nos anos 70 mas via os adultos a correrem para o Persona

      Responder
  3. Olá!

    Sou leitor do Câmara Escura e sou cinéfilo de carteirinha. Eu estou mandando esse email porque estou trabalhando numa empresa que desenvolveu um portal sobre cinema – o Cinema Total (www.cinematotal.com). Um dos atrativos do site é que você cria uma página dentro do site, podendo escrever textos de blog e críticas de filmes. Então, gostaria de sugerir que você também passasse a publicar seus textos no Cinema Total – assim você também atinge o público que acessa o Cinema Total e não conhece o Câmara Escura.

    Se você gostar do site, também peço que coloque um link para ele no Câmara Escura, na seção Links.

    Se você quiser, me mande um email quando criar sua conta que eu verifico se está tudo ok.

    Um abraço,

    Marcos
    http://www.cinematotal.com
    marcos@cinematotal.com

    Responder

Responder a Vasco Câmara Cancelar resposta

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>