As mulheres que gostaram deste homem

É um retrato em fuga, sempre mais interessante do que quando se imobiliza.
Parece que vai cristalizar-se como história de “um caso humano”. A música até insiste nisso, facilitando a poética da mente liberta dentro de corpo prisioneiro (poliomielite), mas Seis Sessões tem o condão de evitar atolar-se nos buracos abertos. (Também se esquiva à comédia romântica; de novo: apesar da música…)
É claro que o que fica parece estar sempre a escapar-se-nos. E não é claro que a fuga, como uma linha de horizonte que promete sempre cada vez mais ao longe, seja um projecto controlado.

Eis a história de um homem que gostava das mulheres, como o título do filme de François Truffaut. Às tantas Seis Sessões também foge para as mulheres que gostaram desse homem. Nesse campo, e não só pelas (ex)posições de Helen Hunt, é um filme que apresenta variações de invioláveis retratos no feminino. O que é raro no mainstream americano de hoje; e é mais coisa muito lá dos anos 70 – talvez seja por isso que ao olhar para estas senhoras desfile um patrimómio do passado, de Jill Clayburgh a Diane Keaton, passando por Marthe Keller. Se calhar ninguém se lembra já…

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>