Aqui é mesmo na nossa terrinha. Não é na lua

Em conversa sobre  Torres e Cometas, o filme com que respondeu à encomenda de Guimarães Capital da Cultura, Gonçalo Tocha atirou a palavra “paródia”: a necessidade de ligeireza para lidar com a ressaca do pós-É na Terra, não é na Lua. Uma forma, acrescentou, de questionar métodos de trabalho, intensidades e até a maneira como ele e o seu cúmplice Dídio Pestana se escondem e revelam – em campo e fora de campo. Por exemplo, explicou Tocha: este filme dá visibilidade a Pestana, muito escondido no filme anterior; várias decisões sobre os planos terão sido tomadas precisamente para ir atrás do som (Dídio é o homem do som).

Mas eu diria que Torres e Cometas é, sobretudo, o filme de um desacordo. E um filme em desacordo.

Depois da simbiose milagrosa que foi É na Terra, não é na Lua- em que Tocha e Didio inventaram uma ilha ou foram inventados por ela -, depois de uma cosmogonia, os realizadores não se sentem debaixo do céu de Guimarães.

Não há nada de mal no desacordo: dá para experimentar. Deu, concretamente, para testar a elasticidade de um método, perceber se ele é permeável à ironia e à comédia. Gonçalo e Dídio aqui já não são apenas sombras que murmuram a sua participação na criação de um mundo (de aventuras). Agora testam-se em frente à câmara como possibilidade de burlesco.

Debaixo do castelo da nossa nacionalidade, o bebé Afonso vai aos solavancos bordo do seu berço com rodas, mas não há escadaria de Odessa que faça disso um épico. E não há altivez alguma nem solidão inescapável nas “personagens” que afirmam a sua crença numa segunda torre para emoldurar uma igreja como uma das mais bonitas de Portugal. Há quem fique preso à fé só por passar por uma fonte, mas o problema de Dídio Pestana nessa sequência é ter ficado sem som. Sem a matéria de que a criação de um mundo é feita, sobrando a cacofonia de celebrações oficiais pelas quais os realizadores não disfarçam o desgosto (aí está, filme em desacordo), Dídio e Tocha ensaiam meter-se ao barulho. Sem conseguirem abrir os olhos de espanto, e não podendo mentir sobre isso, exibem as dificuldades. Sem ser ainda claro o que se ganhou com as perdas (é uma primeira tentativa de…), é visível que é das mais enviezadas respostas a uma encomenda oficial.

Aqui é mesmo na nossa terrinha. Não é na lua

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>