Amor, amour

A Nossa Forma de Vida, de Pedro Filipe Marques (Melhor Filme da competição nacional DocLisboa 2011), sob influência de Amour, de Michael Haneke (Palma de Ouro de Cannes 2012)… O pícaro retrato tirado oito andares acima do solo revela-se, afinal, tocado…  Não são os filmes que se influenciaram, bem entendido; o olhar que regressou ao […]

Um cineasta precioso

Palma de Ouro de Cannes, por Arena, Urso de Ouro de Berlim, por Rafa. E agora, Rafa recebe o Prémio Uppsala em Memória de Ingmar Bergman. Oportunidade para regressar a esta conversa/perfil, a uma obra (editada em DVD) que é obsessiva, em que há sempre uma viagem, da escuridão para a luz, de um quarto para o […]

A lenda do cineasta perdido

O filme, duas horas de material inédito e, sobretudo, um Caderno de Bordo em livro em que Gonçalo Tocha se assume como cineasta perdido numa lenda chamada cinema: edição especial, em DVD, de É na Terra Não é na Lua Se ainda restassem dúvias, no seu Caderno de Bordo 2007-2011 Gonçalo Tocha diz o nome: […]

João Pedro Rodrigues e os zombies

Manhã de Santo António: a juventude olhada com distância e cepticismo, permitindo que o cinema de João Pedro Rodrigues surja renovado  com violência e narcisismo. O melhor filme do realizador desde O Fantasma é exibido na sexta-feira, 18h30, no DocLisboa. Este foi o encontro com JPR em Cannes… Às primeiras horas da manhã de um dia depois das […]

A humanidade a sobreviver no inumano

 Encontro com Wang Bing, o realizador de Three Sisters.  Um épico: gente obrigada a transcender-se. Hoje no DocLisboa “Não vai acontecer. Não me interessa.” A pergunta era se Wang Bing alguma vez realizará um filme sobre a classe média chinesa, se alguma vez se interessará pela paisagem urbana, pelas cidades… A resposta era previsível, mas continuou […]

Regeneração

É um belo princípio de ética cinematográfica, este: fazer com que as personagens de um filme existam para além das categorias que as ameaçam encerrar. Les Invisibles, de Sebastian Lifshitz (18h45, Londres, hoje, DocLisboa), documenta um conjunto de personagens, homossexuais, que se assumiram e que lutaram no período entre as duas guerras. A sua intimidade, portanto, foi sendo […]

Viagem à Expo

Em 1998, acompanhei João Pedro Rodrigues numa viagem de Trás-os-Montes até Lisboa em que o cineasta filmou a família Do Fundo, José, a mulher Jacinta, filhos Léa e Johnny, emigrantes em França. Queria chegar a Lisboa para gritar: “E Viva a Expo!”. Queria sentir-se vingado, queria que os filhos se reconciliassem com o país. Era a […]

Filme-fantasma

Hoje, DocLisboa, Mekong Hotel, de Apichatpong Weerasethakul Uma relação entre mãe e filha ao longo dos séculos. A mãe é um vampiro e chega a comer a filha quando esta está no auge da sua paixão por um homem. O espírito da mãe é colocado num vaso debaixo de água e o espírito da filha […]

Goodbye Emmanuelle

Um pedaço de confissão, sem despudor: entre 1972 e 1976, os cartazes de Emmanuelle, de Just Jaeckin, O Último Tango em Paris, de Bernardo Bertolucci, O Intruso, de Luchino Visconti ou Malícia, de Salvatore Samperi, foram a minha introdução (muito à porta, portanto) ao interdito. Eram os filmes “dos pais”, os filmes do incontornável porteiro […]

Com Jacques Audiard, assistindo à metamorfose

Em De Rouille et D’Os algo se torna mais explícito, menos secreto e até mais gongórico na obra de Jacques Audiard, cineasta francês de trajectória particular, que se iniciou como realizador em 1994 aos 42 anos com Regarde les Hommes Tomber, e que em 18 anos realizou apenas seis longas (argumentista e realizador, experimenta sempre […]