Woody filma no chuveiro

A abertura é à la Querido Diário, de Nanni Moretti, embora nada no  cinema de Woody Allen tenha habitualmente a ver com essa durée, com esse abandono sensual. Desagua depois – o polícia sinaleiro que nos diz que Roma é uma cidade de muitas histórias, antes do filme começar a contá-las – numa daquelas disponibilidades para o […]

Sexo com o iPhone

O sexo, aqui e agora. E o iPhone. Mates, de António da Silva, é uma espécie de GPS do desejo nos dias de hoje. Em cinco minutos. Sexualmente explícito e singularmente contraditório: tomado pelo êxtase dos corpos, ameaçado pelo abandono auto-reflexivo – por alguma nostalgia, mesmo. Isso foi o ano passado, o realizador português que vive […]

Em surdina

Se a convenção é o “cinema realista” britânico ou um “this day and age” de uma temática gay, então a verdadeira “história” de Weekend, o filme de Andrew Haigh que abre o próximo QueerLisboa – o breve encontro entre Russell e o seu engate, Glen – é a serena intromissão de gestos e silêncios, como que a procurarem espaço […]

Da predação

Este filme quer aniquilar a “vénus negra” ou quer salvar a heroína? É um filme sobre quem vê ou sobre quem se exibe? Contradições de um filme ambicioso e pastoso, hoje no King, Lisboa, às 14h, 17h45 e 21h30 No desenlace de O Segredo de um Cuscuz (2007), anterior filme de Abdellatif Kechiche, éramos tomados […]

Vemos gente morta

A Alambique vai editar em DVD O Cerco de Leninegrado/Blockade, de Sergei Loznitsa. Na altura da Retrospectiva integral na Culturgest, Lisboa, 2011, surgiu a oportunidade para uma conversa com o cineasta. Fantasmas da História,  brutalidade ancestral – para o espectador, um abanão.  

still

  When you call my name/ it’s like a little prayer/ I’m down on my knees/ I wanna take you there (Paraíso: Fé, Ulrich Seidl, Madonna)

Veneza: o ouro e o pechisbeque

Um coreano que há 12 anos chocou, agora (en)cantou. Um americano anda atrás do great american film – outro não percebe que a vida seja separada da ficção. Um mundo que se vê de olhos arregalados, o dos judeus ortodoxos. Um alemão perseguido pela palavra “escândalo” – deve-se acrescentar esta: “ternura”. E um chinês colossal. […]

still

Soy un perdedor/I’m a loser baby, so why don’t you kill me? (Reservoir Dogs, Quentin Tarantino, Beck)

still

                               This is the end/Beautiful friend/This is the end/ My only friend, the end                                           (Psycho, Alfred Hitchcock, The Doors)