Portugueses em Veneza

É na secção Horizontes, aposta nas “novas correntes”, que os portugueses Teresa Villaverde e Gabriel Abrantes vão apresentar, respectivamente, “Cisne” e “Palácios de Pena”. De um lado, a doçura, e talvez o início de uma outra idade para o cinema da cineasta: a busca de uma autonomia em relação a motivos e figuras – aprendendo, se calhar, a navegar na solidão das personagens adultas e a não necessitar de estar sempre a proteger personagens infantis. Do outro, uma ferocidade em velocidade de cruzeiro, debicando, como uma ave de rapina, os códigos de um “velho” cinema para chegar a algo de “novo”

Cartaz de "Cisne", de Teresa Villaverde

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>