Ano Grande Brasil

Brasil

  • Com tanta obra ficamos todos “estressados”

    Estamos numa Rent-a-Car junto ao aeroporto de Cuiabá. À nossa volta, obras e mais obras. Acabámos de atravessar uma hora de trânsito exasperante, com estradas cortadas, desvios, terra, lama, e condutores à beira de um ataque de nervos. Pagamos uma hora extra de aluguer pelo atraso com que entregamos o carro.

    No Diário de Cuiabá lemos entretanto que o ministro da Aviação Civil, Moreira Franco, vistoriou os trabalhos do Aeroporto Marechal Rondon “e não ficou nada satisfeito com o que viu”, exigindo que o novo terminal fique concluído até ao final de Março. Neste momento, segundo o jornal, apenas 40% da obra foi feita. E a Copa vem aí.

    Nós fomos vítimas do caos que estas obras estão a provocar na cidade. Mas só podemos relativizar a nossa situação quando ouvimos outro cliente que acaba de entrar na rent-a-car. O homem, brasileiro, acaba de percorrer 1700 quilómetros a trabalho (desnecessários, porque afinal a empresa tinha-se enganado ao indicar-lhe o destino, e ele podia ter voado para outra cidade). Está para lá de “estressado”, como ele próprio diz.

    E mais “estressado” fica quando percebe que tem que pagar um arranhão no fundo do carro e ainda mais 100 reais (perto de 30 euros) pela “higienização” – um custo que é adicionado a quem fuma dentro do veículo.

    O homem desabafa, vocifera contra o dinheiro que está a ser gasto em estádios e o que não está a ser gasto nas escolas e nos hospitais. Diz que dantes ainda podia ir ao Maracanã ver um jogo mas que agora os bilhetes estão tão caros que é impossível ir, revolta-se contra as prioridades do país – num discurso que é comum neste momento entre muitos brasileiros.

    E indigna-se sobretudo – como tantos outros – com a dupla face do Brasil, de primeiro mundo para umas coisas e de terceiro mundo para outras. Um país em que, revela o número especial da revista Exame sobre as perspectivas para o futuro, o Produto Interno Bruto per capita é equivalente ao da Alemanha no Distrito Federal e ao da Mongólia no estado do Piauí, com todas as variantes pelo meio (o estado do Sergipe está ao nível da Namíbia, o do Rio de Janeiro ao da Argentina, por exemplo).

    Um país em que um homem paga mais porque arranhou o carro ao andar 1700 quilómetros em estradas muitas vezes esburacadas e sem condições, mas em que um veículo tem que ser “higienizado” porque esse mesmo homem, “estressado”, fumou um cigarro lá dentro. Aqui paga-se o terceiro mundo e depois paga-se o primeiro.

    #NEG_BRASIL_RECIFE_240114_8201

     

    #NEG_BRASIL_RECIFE_240114_8169

    #NEG_BRASIL_RECIFE_240114_8224

    #NEG_BRASIL_RECIFE_240114_8165

Comentários

Esta zona de comentários não faz parte do sistema de reputação do PÚBLICO

  1. Pingback: Barra do Bugres » Site português faz críticas a Cuiabá: “Fomos vítimas do caos”

  2. ozildo

    No final do século 17, iniciava-se no Brasil o Ciclo do Ouro. Pessoas de várias regiões da colônia e até de Portugal migravam para as áreas onde o metal precioso era abundante, em busca de lucrar com a nova febre, Cuiabá, hoje desfruta de um grande sucesso para poder melhorar a qualidade de vida da população, considerando que discordo das críticas dessa jornalista portuguesa, Mato Grosso sozinho hoje compra Portugal de porteira fechada, vivemos o atraso a herança maldita dos portugueses. Cuiabá ira dar um salto de muitos anos de progresso com essas obras que estão sendo feitas, atirar pedra é fácil vidraça ninguém quer ser.

  3. Paulo Rogerio

    Absurdo alguns comentário xenofóbicos…o que esta repórter disse senão a pura verdade…ficamos sabendo que Cuiabá seria uma da sedes em 2009, já se vão CINCO anos ai o governador disse que não terminará uns trilhos de 22 KM a tempo…em 5 anos foi feita uma ilha em Dubai, onde moram mais de 60 mil pessoas…dinheiro, sim Dubai tem dinheiro, e aqui achas que não tem?…o problema é que lá o dinheiro realmente foi usado naaaaaaas obras, e aqui?….

  4. Dri

    Excelente matéria …. não adianta ficar reclamando da matéria e muito menos criticando Portugal. Moro em Cuiabá e aqui esta um CAOS TOTAL, + suja ainda, ruas esburacadas, os viaduto que já foram entregues precisam ser demolidos (se brincar a chuva vai fazer isso) e feitos de novo (só se for pra roubar mais um pouco) …. TRANSITO = STRESS …
    Estão achando ruim a reportagem?
    Então reclamem para o Sr. Silval Barbosa.

  5. salvador jr

    Fico consternado com vocês europeus que se dizem os donos da cultura mundial e que saem do país de vocês para apontar erros no país dos outros. A cultura que temos é herdada de vocês que foram nossos algozes e os primeiros corruptos desta terra. Já estive no seu país e não gostei tambem, pessoas grosseiras e um país velho cujo progresso acho que ficou na Idade Média. Nós estamos nos desenvolvendo agora e vocês precisam e precisarão muito mais de brasileiros de que brasileiros de vocês. somos o celeiro do mundo pense nisso antes de vir a este país questionar leis, costumes e atitudes da população local. vocês estão com uma moeda de ponta mais estão literalmente quebrados economicamente. Tem Português com nivel superior trabalhando de garçon aqui no Brasil por que vei quebrado de Portugal.Sejam mais humildes o tempo de vocês já passou junto com as caravelas.

  6. daniel

    oque é hoje Portugal diante do brasil? mesmo com todo exploração portuguesa ,conseguimos dar a volta por cima ,quero lembra aos portugueses que, Portugal existe a 3 mil anos e mesmo assim continua pobre e desorganizada!!!

  7. Pingback: Site português faz críticas a Cuiabá: “Fomos vítimas do caos” |

  8. Adriano

    Gostaria que a direção deste jornal, entregasse uma cópia impressa ao sr. governador do estado de MT, pois o mesmo parece que não se preocupa com o caos que as cidades de Cuiabá e Várzea Grande estão passando!

  9. Fábio Amorosino

    O que mais deixa a irritar é o atraso das obras, começaram a trabalhar depois de mais de um ano que Cuiabá foi escolhido sede para a Copa, fizeram um viaduto e por má qualidade tiveram que mexer novamente na estrutura, fora o investimento alto, a maioria das escolas chove mais dentro do que fora, mas não tem verba para fazer manutenção, o calor das salas de aula nem se fala, pois Cuiabá chega a fazer 40º C e os alunos ficam irritados, mas para fazer um estádio (para poucos) têm verba.
    Toda infraestrutura que está sendo realizado será muito bom para Cuiabá e Várzea Grande, mas a demora deixa todos irritados pois o transporte, saúde, moradia, pavimentação ficam a desejar, Mas não podemos esquecer que Cuiabá também têm um povo amigo, hospitaleiro e Mato Grosso têm belezas naturais que poucos países de 1º Mundo possui. Abraços

  10. Thiago

    Ola eu não to estressado com obra nenhuma o meu estresse e com essas criticas da minha cidade e do meu pais como o seu tambem deve ter mais faz um favor se não gostou nem precisa vir mais vc não faz falta

  11. Thiago

    Nasci em Varzea Grande e vejo uma coisa está melhorando a cidade esse povo só sabe criticar o transito de Varzea Grande pra Cuiaba era nossa nem sei como falar mais agora tá muito melhor ate com essas obras em execução olha o Cuiabano e um povo que recebe bem as pessoas que vem de fora não deveria mais recebe não deveria mesmo uma cidade que foi fundado apartir do garimpo que esta andando agora pelo amor de Deus eu amo essa cidade não trocaria por lisboa nem que a vaga guspa na propria testa

  12. AlexanderDeLarge

    O niltinho ficou ofendido com a matéria :) É um diário da vida real, se não te agrada a vida real, faz um “favor imenso para nós” ou então – faz-nos um favor imenso – e procura uma vida alternativa. O Brasil vai aprender com os erros próprios, quando podia ter aprendido com os erros dos outros (vide Portugal). Para além do dinheiro que gastam, que em nada vai fazer o país evoluir, ficam depois com as dividas e as manutenções. Salvé.

  13. Denis Brasil

    Puffff… Portugal, pais falido! Muito me espanta essa soberba em se tratando de um pais “que está a beira do caos financeiro”. Olhem primeiro para seu umbigo, resolvam seus problemas ( diga-se de passagem muitos ) para depois julgar quem quer que seja. Sem mais para o momento.

  14. William

    Parabéns pela reportagem, até que enfim alguém teve coragem de publicar a verdade que nós enfrentamos todos os dias.

  15. Julio

    O jornalista falou alguma besteira? Essa é a realidade deste país, uma baderna temos sim que criticar e parar de aceitar calado, a culpa são dos gestores que tiveram desde 2007 pra iniciar as obras, deixaram pra última hora sem planejamento e preparação e agora fazem as pressas e de forma desorganizada e pra piorar com qualidade duvidosa, estou falando alguma inverdade?

    • Thiago

      A culpa e sua mano que vota e voce e ai voce vem colocar culpa no pais

  16. José Sócrates

    Cuiabá e Várzea Grande são cidades em construção. As obras que estão sendo feitas, trarão inúmeros benefícios para a população. O povo está pagando esse preço, que com certeza é alto, mas no futuro agradecerão. Como tudo na vida, para crescer, é preciso passar por transformações. O stress faz parte. Cumprimentos

  17. lincoln

    Olá Sra Alessandra:
    Queres trocar? Vou pra Lisboa e tu vens pra Cuiabá?

  18. Silval

    Isso é o descaso do governo estadual. A corrupção afronta todos os poderes no estado, indo do poder executivo, legislativo até ao judiciário. Mato Grosso terra produtiva, mais estado de corruptos. Esse governador do estado é o líder dos corruptos. Pior governador que o estado já teve, ele e somente ele é responsável por esse caos vergonhoso, deveria ser preso! #cadeianeles #cadeiaprosilval #forasilval

  19. niltinho

    alexandra se nossa cidade não agradou você então faz um favor imenso para nós, e para você de procurar um lugar do seu agrado, pois critico já temos de monte por aqui.

    • Gustavo

      Niltinho, você é cara do Brasileiro alienado que não sabe receber críticas, seu comentário é a mais pura ignorância. A cidade de fato esta um caos, e é direito de quem nos visita, criticar, afinal eles não vem por cortesia nossa, gastam dinheiro com passagens, hospedagem, aluguel de carro como disseram e tudo mais, o minimo que eles tem direito, é o mesmo minimo que nós moradores deveríamos ter, que é desembarcar no aeroporto, e não ter que desviar de poça de água, barro, sujeira, ter calçadas pra andar, e ruas em boas condições para os carros transitarem. É errado usar as obras para justificar essa bagunça que infelizmente sempre tivemos.

    • João

      Boa reportagem. Assim se vê os custos da modernização dos eventos e o impacto que estes têm para a população local.

  20. Laine

    Moro, próximo ao aeroporto, a cidade onde localiza o mesmo é Várzea Grande, atravessando a ponte é Cuiabá, pois bem realmente estamos estressados. Parabéns aos jornalistas pelas matérias.

    • sebastiao pereira cajanngo

      Realmente as cidades de Cuiabá e Várzea Grande vivem dias de muita turbulência no transito por conta das obras de mobilidade urbana. moro em Vg e trabalho em Cuiabá, todo dia vivo uma aventura, fico louco para chegar fim de semana e não sair de casa. Mas discordo das críticas dessa jornalista portuguesa, Mato Grosso sozinho hoje compra Portugal de poeteira fechada, vivemos o atraso a herança maldita dos portugueses. Nós vamos dar um salto de 50 anos de progresso com essas obras que estão sendo feitas, atirar pedra é fácil vidraça ninguém quer ser.