Nem todo o sítio de Tom Jobim está perdido

Uma pessoa levou a outra, e finalmente falei há pouco com a família Jobim. A casa em cima do rio onde ele compôs “Dindi” e “Águas de Março” — e onde os moradores de São José do Vale do Rio Preto acharam que Frank Sinatra estaria escondido, até espreitarem debaixo da cama — foi levada pela enxurrada, junto com outra ao lado, e mais dez casas pobres nas redondezas.
Era a casa original, da mãe de Tom Jobim, onde ele próprio viveu uns tempos. Mas a casa que Tom fez depois no cimo da colina continua intacta, tal como a casa do seu filho Paulo, com quem falei há pouco.

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>