Noite em claro, Friburgo

Ana Paula, 28 anos, irmã de clausura, passou a noite de sábado para domingo a correr para a janela, no dormitório das mulheres, onde todas mal dormíamos. De um dia para o outro a natureza pô-la na rua, ela que nunca sai. Na manhã seguinte, quando acordei, já estava de balde na mão. Não havia água dentro de casa, era preciso ir ao quintal encher baldes. Imaginem as casas de banho sem água, com dezenas de hóspedes de emergência. Era o que a irmã Ana Paula ia fazer, de balde na mão, logo pela manhã, limpar as casas de banho para toda a gente.

Um comentário a Noite em claro, Friburgo

Responder a Adriana Carranca Cancelar resposta

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>