Gaspar e a opacidade

Por Luís Bernardo, historiador e membro da TIAC Em primeiro lugar, vejo-me obrigado a fazer uma longa declaração de interesses. Reconheço-me na missão da TIAC, sou seu membro fundador e considero a nossa (sua, leitora/leitor, e minha) associação um marco histórico e uma organização pioneira no contexto cívico português. No entanto, e porque nasci numa […]