Um ataque à liberdade no Egipto

A democracia exigida pelos manifestantes que saíram às ruas na Primavera Árabe — e que no Egipto culminou com o derrube do presidente Hosni Mobarak — continua longe de estar assegurada. O Governo militar de transição no Cairo acaba de emitir acusações criminais contra 40 membros de organizações não-governamentais egípcias e internacionais a trabalhar no país.

A Transparency International reagiu de imediato, exigindo ao Governo egípcio que desista destas acusações. “A perseguição daqueles que trabalham para organizações não-governamentais é inaceitável e contraria as exigências de maior responsabilização pública que estão na origem da Primavera Árabe. Esta atitude está também em conflito direto com as obrigações internacionais que o Egipto ratificou, no sentido de proteger e promover a sociedade civil”, disse Huguette Labelle, presidente da Transparency International.

Leia a declaração completa “Transparency International calls on Egypt’s leaders to provide a safe space for civil society organisations”

Deixar um comentário

O seu email nunca será publicado ou partilhado.Os campos obrigatórios estão assinalados *

Podes usar estas tags e atributos de HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>